Paragem do comércio internacional pode custar 700 mil milhões por trimestre

A Europa tem 13 mil empresas em risco de insolvência e estima-se uma perda de 1,5 milhões de postos de trabalho nos próximos 12 meses, prevê a seguradora Euler Hermes.

O combate à pandemia do Covid-19 colocou a economia internacional em turbulência. As medidas de contenção do novo coronavírus, como a obrigação de isolamento social e as restrições fronteiriças, implementadas pela União Europeia e pelos Estados Unidos da América, “podem custar cerca de 700 mil milhões ao comércio mundial durante o primeiro trimestre de 2020”, estima a Euler Hermes.

Na Europa, o cenário é de forte recessão tendo em conta que já morreram mais de 30 mil pessoas vítimas do Covid-19. O PIB da Zona Euro, tal como o da Alemanha, a maior economia europeia, deverá registar uma contração de -1,8%. O crescimento da Itália ficará nos -3,5%, tendo em conta que é o país mais afetado pela pandemia. Já o PIB dos Estados Unidos deverá contrair cerca de 0,5%.

Estas previsões têm por base a implementação de fortes medidas durante este mês de forma a conter da propagação do vírus. Se as medidas se prolongarem por mais um mês, a fatura sobe. Na Europa, por exemplo, o impacto no PIB será de -4,4%. A seguradora estima que cada mês de medidas de contenção impacte entre 20 e 30% o crescimento das economias.

13 mil empresas em risco na Europa

Muito antes de surgir esta pandemia mundial, a economia já estava a sofrer um abrandamento global. Segundo a Euler Hermes, acionista da seguradora de créditos COSEC, o atual surto “reforçou largamente esta tendência, uma vez que está a colocar as economias e as empresas sob uma pressão intensa”.

Face ao cenário, a análise da Euler Hermes aponta para um aumento de 14% das insolvências em todo o mundo durante o ano de 2020 (16% na Europa Ocidental). A seguradora estima que o volume de negócios das empresas da Zona do Euro tenha uma quebra de entre -15% e -25% até ao pico da crise, no final de março.

O atual contexto de bloqueio da economia poderá levar à falência de cerca de 7% das PME e mid-caps da Zona Euro, o que corresponde a cerca de 13 mil negócios. É em França que se encontra 10% do total de empresas em risco, cerca de 9% na Alemanha, 8% na Bélgica, 6% em Espanha e 5% em Itália.

As insolvências vão aumentar principalmente em Itália (+18%), Espanha (+17%) e Holanda (+21%). A Alemanha (+7%), França (+8%) e Bélgica (+8%) também deverão registar um aumento das insolvências maior do que o previsto antes da pandemia.

Os setores que correm maior risco são a construção, o setor agroalimentar e o dos serviços.

Mais de um milhão de empregos perdidos

Com esta pausa abrupta na economia cerca de 65 milhões de empregos estão em risco ou a precisarem de apoio dos respetivos governos. Contudo, embora seja acentuada, esta crise económica é de natureza temporária e os economistas apontam para que a taxa de desemprego na Zona Euro aumente apenas um ponto percentual, para pouco mais de 8%.

Isto significa que poderá haver uma perda de até 1,5 milhões de postos de trabalho nos próximos 12 meses, particularmente os trabalhadores independentes ou com contratos temporários.

É esperada uma recuperação no segundo semestre de 2020. Contudo, a recuperação “rápida” não se aplicará a todos os setores. Espera-se que o retalho e turismo venham a ter uma evolução mais lenta.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Paragem do comércio internacional pode custar 700 mil milhões por trimestre

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião