Tranquilidade/Generali antecipa pagamentos de 50 milhões

  • ECO Seguros
  • 3 Abril 2020

As seguradoras do grupo Generali vão reforçar a liquidez dos seus agentes, fornecedores e prestadores de saúde.

A Tranquilidade/Generali vai avançar com um programa de antecipação de pagamentos de 50 milhões de euros com o objetivo de garantir maior liquidez a agentes, fornecedores e prestadores de saúde e apoiar os agentes na gestão da sua carteira de seguros. As seguradoras respondem desta forma às consequências nos negócios dos seus parceiros resultante do abrandamento da atividade económica provocado pelo Covid-19.

As seguradoras decidiram igualmente possibilitar que os agentes possam agilizar soluções e garantir uma resposta rápida aos clientes, como o alargamento dos prazos de anulação de apólices, o ajustamento das regras de subscrição dos seguros e o alargamento de garantias. Estas medidas abrangem, entre outros, o seguro automóvel, de saúde, de acidentes de trabalho e de vida.

A Tranquilidade/Generali, que procede regularmente a pagamentos mensais de aproximadamente 100 milhões de euros, dá resposta assim apoio antecipado aos parceiros num momento particularmente complexo em termos de liquidez.

Maior Flexibilidade e reforço de atendimento

As seguradoras do grupo Generali já tinham estabelecido o alargamento da cobertura de acidentes de trabalho para os colaboradores das empresas em regime de teletrabalho, bem como para os restaurantes que tenham optado por manter-se em funcionamento em regime de entrega ao domicílio. Foi ainda estendida a cobertura de equipamento eletrónico em casa do colaborador em regime de teletrabalho.

Logo no início da crise a Tranquilidade/Generali, passou a suportar os custos dos testes de diagnóstico sempre que haja a necessária prescrição médica e lançou recentemente um seguro de saúde covid-19 para as empresas disponibilizarem aos seus colaboradores.

As seguradoras disponibilizaram, ainda, uma linha telefónica para assistência aos clientes em caso de acidente que não sejam relacionados com situações de emergência ou problemas de saúde/doença ou Covid-19 e reforçou os canais de atendimento não presencial, através do seu serviço de chatbot através WhatsApp.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Tranquilidade/Generali antecipa pagamentos de 50 milhões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião