Chubb investiga alegado ataque cibernético

  • ECO Seguros
  • 4 Abril 2020

A Chubb está a investigar uma falha de segurança informática, mas garante que a sua rede se mantém operacional e está a responder a solicitações dos segurados.

A seguradora confirmou que encetou investigação ao alegado incidente, que “poderia envolver acesso não autorizado a dados na posse de um fornecedor de serviços a terceiros”. A Chubb adiantou também que o inquérito ao evento de cibersegurança beneficiava da colaboração de autoridades policiais e de uma empresa líder em segurança informática.

O evento foi inicialmente noticiado pelo site TechCrunch, citando informação de um analista da Emsisoft, indicando que dados da seguradora especialista na cobertura de ciberisco teriam sido roubados pelo grupo de hackers Maze.

Até ao momento, a Chubb não encontrou evidências de que o incidente tenha afetado a rede informática da companhia.

“A nossa rede permanece totalmente operacional e continuamos a atender a todas as necessidades dos segurados, incluindo reclamações. Proteger os dados confiados à Chubb é uma prioridade máxima para nós. Forneceremos mais informações, quando for oportuno“, adiantou fonte da companhia.

Depois destas declarações, a edição online da Infosecurity Magazine citou especialistas para afirmar que o ataque pode ter acontecido por via de uma vulnerabilidade (já identificada noutras organizações) relacionada com falhas não corrigidas em componentes e aplicações utilizados em servidores (Citrix Application Delivery Controller e Citrix Gateway).

O Maze é associado a ataques de malware – do tipo ransomware – utilizados em esquemas de intrusão (com bloqueio de rede visadas), envolvendo chantagem contra resgate sob ameaça de exposição ou venda de dados roubados às entidades alvo dos ataques.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Chubb investiga alegado ataque cibernético

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião