Covid-19: Seguradores mobilizam-se no Reino Unido para ajudar pessoas com demência

  • ECO Seguros
  • 7 Abril 2020

O isolamento social é "enorme ameaça" para milhares de pessoas com mais de 70 anos e que vivem com demência. A IUAD, entidade que agrupa seguradoras como Aon, Chubb e Covèa, está a angariar donativos.

A plataforma Seguros Unidos Contra a Demência (IUAD na sigla anglo-saxónica) lançou um apelo de emergência no Reino Unido para recolha de fundos em face do surto da covid-19, incentivando os membros da indústria seguradora a fazerem donativos a favor da sociedade local de doentes Alzheimer.

Chris Wallace, presidente do agrupamento IUAD, afirma: “Como indústria que existe para apoiar as pessoas em tempos de crise, não podemos deixar que as pessoas com demência e os seus cuidadores enfrentem as dificuldades sozinhos. Pedimos, em nome deles, que tome medidas. “Por maior ou menor que seja, cada doação vai permitir que a Alzheimer’s Society continue a oferecer serviços online e telefónicos, uma linha de vida vital para pessoas com demência neste momento assustador e sem precedentes”.

Pessoas com mais de 70 anos foram aconselhadas a isolar-se durante 12 semanas como medida preventiva. De acordo com a IUAD, que junta número significativo de seguradoras – Aon, Chartered Insurance Institute, Chubb, Covéa, Crawford & Co, Ecclesiastical, JLT Specialty, Lockton, MS Amlin, NFU Mutual, QBE, Questgates, Renaissance Re, RiverStone, THB, Touchstone e a Zurich Community Trust- cerca de 700.000 pessoas com mais de 70 anos vivem com demência no Reino Unido.

Alice Hardy, responsável de desenvolvimento da Alzheimer Society, acrescentou: “A nossa prioridade máxima é o bem-estar de todas as pessoas afetadas pela demência, o que significa que não temos outra escolha” senão suspender os serviços cara a cara para manter todos o mais seguros possível da covid-19. “Como alternativa, devemos aumentar os nossos serviços por telefone e online para que possamos alcançar aos que precisam de nós e responder a mais pessoas do que nunca. O vosso apoio significará que podemos fazer exatamente isso”.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) estima que em todo o mundo existam 47,5 milhões de pessoas com demência, número que pode atingir os 75,6 milhões em 2030 e quase triplicar em 2050. A doença de Alzheimer assume, neste âmbito, um lugar de destaque, representando cerca de 60 a 70% de todos os casos de demência, de acordo com os dados da OMS em 2015.

Alzheimer Portugal disponibiliza guia com dicas e atividades

As estimativas internacionais para a prevalência da doença apontam para mais de 19 casos por mil habitantes em Portugal, o que representa cerca de 200 mil pessoas com demência no país.

Minimizar o efeito do isolamento imposto pelo regime de quarentena é também o objetivo prosseguido pela Alzheimer Portugal para melhor cuidar deste grupo de risco.

“Nestes momentos de crise pode ser difícil lidar com determinadas emoções que se podem intensificar. Mesmo estando em isolamento voluntário, estar em contacto com as pessoas de que mais gostamos é uma das melhores formas de lidar com os sentimentos de ansiedade, solidão ou aborrecimento, por isso não tenha receio de tomar a iniciativa e utilize as tecnologias para se manter em contacto”, refere uma nota da Associação Alzheimer Portugal dirigida a cuidadores de pessoas com demência.

Para atenuar os efeitos psicológicos e físicos de ficar em casa, a Alzheimer Portugal criou um guia com dicas e atividades para doentes e cuidadores. De acordo com um anúncio da entidade, em tempos de quarentena, “as pessoas com demências estão particularmente vulneráveis à quebra das rotinas e os comportamentos associados à doença colocam-nas no grupo de risco perante a covid-19”.

Em Portugal, não existindo até à data um estudo epidemiológico que retrate a real situação do problema, “podemos ter como referência os dados da Alzheimer Europe que apontam para mais de 193 mil e 500 pessoas com demência”, assume a associação portuguesa.

A Associação Portuguesa de Familiares e Amigos de Doentes de Alzheimer (APFADA), também conhecida como Alzheimer Portugal, é uma Instituição Particular de Solidariedade Social (IPSS) e associada da Alzheimer Europe. Criada há mais de 30 anos por Carlos Garcia (médico e docente) conta com aproximadamente 10 mil associados em todo o país.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Covid-19: Seguradores mobilizam-se no Reino Unido para ajudar pessoas com demência

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião