Livrarias de BD tentam resistir à crise. Viram-se para as vendas online

  • Lusa
  • 10 Abril 2020

As livrarias portuguesas de banda desenhada vivem dias de sobressalto, com portas fechadas e tentando reforçar as vendas online. Enfrentam ainda problemas de distribuição "a montante".

As livrarias portuguesas de banda desenhada vivem dias de sobressalto, com portas fechadas, a reforçar as vendas online e preocupadas com o fecho da maior distribuidora norte-americana de BD, como contaram três livreiros à agência Lusa.

“É inegável que estamos de porta fechada desde o dia 18 de março e que a quebra de faturação foi brutal, são dias seguidos a zeros. […] Está tudo a acontecer ao mesmo tempo. É viver um dia de cada vez”, afirmou Paulo Costa, da livraria BD Mania, em Lisboa, a propósito das restrições provocadas pela pandemia da doença Covid-19.

Situada no Chiado, com uma renda mensal a rondar os dois mil euros, a BD Mania subsiste agora com vendas por correio e respondendo a um sistema de assinatura com a qual já funcionava habitualmente, com clientes mais ou menos regulares.

Apesar de venderem livros de autores portugueses e obras europeias, o grande foco da BD Mania é a banda desenhada norte-americana e o acesso a ela depende da distribuidora Diamond, monopolista na distribuição de comics dentro e fora dos Estados Unidos. A empresa, que distribui “gigantes” como a Marvel e a DC Comics, anunciou há dias o fecho de atividade por causa da pandemia, afetando as milhares de livrarias especializadas em todo o mundo que dela dependiam, incluindo portuguesas.

“O que [a Diamond] nos comunicou é que não está com previsões de pensar em abrir a curto e a médio prazo. Presumimos que o mercado vai ter de se adaptar e as editoras vão ter que repensar a sua distribuição e pôr os livros a circular”, explicou Paulo Costa. Acabado de receber a última remessa mensal de encomendas dos Estados Unidos, o livreiro da BD Mania teme que “de um momento para o outro deixe de ter o que vender”.

Mário Freitas, fundador da editora e livraria Kingpin, em Lisboa, também sublinha esse problema da distribuidora “a montante”, porque significa deixar de receber novidades em inglês por um tempo indeterminado. “Pode levar a uma transformação completa do modelo de distribuição e pode demorar. Estamos numa incógnita e numa certa ansiedade. Não é uma catástrofe, mas não é nada de muito animador”, afirmou à Lusa.

Tal como a BD Mania, a Kingpin também está a vender apenas online, com Mário Freitas a trabalhar na livraria e dois outros trabalhadores em regime laboral em casa. Apesar de as vendas online terem subido, vendendo BD e merchandising, Mário Freitas calcula que em março tenha tido uma quebra de cerca de 40% na faturação. Este tempo de estado de emergência fá-lo lembrar a crise de há dez anos, com retração de consumo.

Sobre os próximos meses, o livreiro tenta fazer cálculos a curto prazo, “até final de setembro”, e aponta baterias para a Comic Con, a convenção internacional dedicada à BD, jogos e entretenimento que está marcada para aquele mês no Passeio Marítimo de Algés (Oeiras). “É fundamental que haja a Comic Con. Mexe muito, de todos os pontos de vista. Se vai haver e em que circunstâncias, é o que falta saber”, disse Mário Freitas.

Em Coimbra, a livraria de BD Dr. Kartoon faz contas às despesas desde que fechou portas em março e espera reabri-las em maio, porque “não dá para ficar eternamente fechados em casa”, contou o livreiro João Miguel Lameiras à Lusa. “Março não foi trágico, porque estivemos abertos meio mês e tivemos o festival de BD em Coimbra. Faturámos um bom mês e deu para equilibrar um bocado as coisas. No mês de abril vamos estar fechados e acredito que as encomendas por correio se tornem mais complicadas”, lamentou.

Segundo João Miguel Lameiras, as vendas pela Internet não compensam o que vendem habitualmente em loja e calcula que este micro-negócio se aguente pouco tempo nestes termos, mesmo tendo apenas dois sócios-funcionários. “Não há os custos inerentes a uma livraria com mais empregados. Nesse aspeto é mais fácil aguentar um mês ou dois, mas não dará para aguentar muito mais”, sublinhou.

O livreiro explica ainda que não está tão dependente da distribuidora norte-americana Diamond como a BD Mania e a Kingpin, porque o catálogo abrange também muita produção europeia, em particular franco-belga e portuguesa.

Com o cancelamento ou adiamento de eventos como a Feira do Livro de Lisboa e o Festival de Banda Desenhada de Beja, João Miguel Lameiras espera “alguma pequena normalização ainda durante o verão”. “O problema é se as coisas se mantêm abertas ou se há o risco de fechar outra vez. Se [a pandemia] afetar o Natal, aí é que seria trágico”, afirmou.

As livrarias, especializadas ou generalistas, independentes ou de cadeias livreiras, fecharam praticamente todas por causa das medidas de contenção da pandemia.

Segundo a Associação Portuguesa de Editores e Livreiros (APEL), o encerramento das livrarias teve como consequência “a queda a pique” do mercado: “menos 83% de vendas nas livrarias, que são o principal canal da venda a retalho”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Livrarias de BD tentam resistir à crise. Viram-se para as vendas online

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião