Renault suspende dividendo de 2019 e reduz salário do CEO

  • Lusa
  • 10 Abril 2020

A Renault anunciou o cancelamento da distribuição de dividendos para o exercício financeiro de 2019 e a decisão do presidente de reduzir a sua remuneração.

A fabricante automóvel francês Renault anunciou o cancelamento da distribuição de dividendos para o exercício financeiro de 2019 e a decisão do presidente de reduzir a sua remuneração, no contexto da pandemia de coronavírus. A Renault adiantou que vai recorrer a empréstimos garantidos pelo Estado e precisou que o salário do presidente, Jean-Dominique Senard, vai ser reduzido em 25% no segundo trimestre deste ano.

Numa entrevista à rádio RTL, o presidente do conselho de administração da Renault, Jean-Dominique Senard, escusou-se a precisar o valor do corte lhe custaria em termos monetários. Quanto a dividendos, cujo valor a distribuir tinha sido anunciado em meados de fevereiro, a empresa diz agora que vai cancelar 300 milhões de euros (325 milhões de dólares) que deveriam ser pagos aos acionistas relativos ao ano passado.

Jean-Dominique Senard, ressalvando que a Renault não pretende ser nacionalizada, disse estar a trabalhar para garantir empréstimos bancários apoiados pelo Estado para amortecer o choque da crise provocada pelo novo coronavírus e que atingiu a procura de veículos e interrompeu a produção. O presidente da Renault disse ainda que os montantes dos empréstimos não foram ainda determinados, mas podem chegar a quatro ou cinco mil milhões de euros (5,4 mil milhões de dólares).

Em 14 de fevereiro, a Renault anunciou prejuízos em 2019 de 141 milhões de euros, contra 3.302 milhões de euros de lucro no ano anterior, e precisou que esta era a primeira vez que registava prejuízos desde 2009, e justificou a quebra com o negócio global dos parceiros chineses, da Daimler e, em particular, da Nissan, bem como o agravamento da própria atividade automóvel.

Nessa mesmo dia, a administração da Renault anunciou a sua proposta de distribuir um dividendo de 1,10 euros por ação, o que representava um terço dos 3,55 euros por ação relativos ao exercício de 2018.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Renault suspende dividendo de 2019 e reduz salário do CEO

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião