Comissão Europeia dará passos para impedir China de comprar empresas europeias

Vestager quer que países entrem no capital de empresas que se tornaram vulneráveis por causa da pandemia para impedir entrada de chineses, tal como aconteceu na última crise.

A vice-presidente da Comissão Europeia, Margrethe Vestager, considera que os Estados-membros devem entrar no capital de empresas afetadas pela pandemia, se necessário, para impedir que os chineses comprem posições e passem a controlar setores essenciais, tal como aconteceu na última crise, inclusive em Portugal (EDP e REN são dois exemplos).

Vestager, que é responsável pela pasta da Concorrência, está a preparar propostas para que os países europeus ganhem poderes que afastem empresas detidas pelo Estado chinês cuja concorrência é “injusta”. “Esta é uma das nossas principais prioridades”, assegurou ao Financial Times, referindo que o trabalho nesta área tem sido intensivo.

Não temos nenhum problema com os Estados a agirem como participantes do mercado se necessário (…) caso queiram prevenir uma aquisição deste tipo“, afirmou a dinamarquesa ao jornal britânico, assinalando que “é muito importante” que os países estejam “cientes” de que existe um “risco real” das empresas vulneráveis possam ser alvo de uma aquisição.

A legislação que está a ser preparada — e que será divulgada em junho — deverá servir de “dissuasor” para as empresas estrangeiras. “Todos são mais do que bem-vindos para fazer negócios na Europa, mas não o podem fazer através de uma concorrência injusta”, alerta, referindo-se às empresas chinesas que têm a ajuda do Estado.

A revisão das regras da concorrência irá ter como alvo as empresas que são detidas ou ajudadas por Estados que não sejam da União Europeia. O argumento é que estas empresas têm um poder financeiro, através dos respetivos Estados, que desequilibram logo à partida a concorrência com as empresas europeias.

Neste momento já está acordado um mecanismo europeu de análise ao investimento direto estrangeiro na União Europeia, o qual entrará em vigor em outubro deste ano. O objetivo deste instrumento é facilitar a troca de informação entre os países para mitigar riscos potenciais para a segurança. A própria Comissão Europeia poderá dar a sua opinião sobre um investimento em particular.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Comissão Europeia dará passos para impedir China de comprar empresas europeias

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião