BRANDS' ECOSEGUROS Cibercrime: a outra pandemia para as empresas

  • BRANDS' ECOSEGUROS
  • 14 Abril 2020

Rui Ferraz, diretor comercial da Innovarisk, explica como as empresas enfrentam novos desafios em matéria de segurança de dados, sites e informação de clientes.

O avançar do Covid-19 em Portugal e o receio de que o trabalhar nos locais habituais poderia trazer um aumento exponencial do número de infetados, não só pela proximidade física nas empresas mas também pela utilização de transportes públicos apinhados de gente por boa parte da população, mudou, talvez para sempre, a maneira como trabalhamos.

Se é de esperar que muitos de nós voltemos aos escritórios, lojas e fábricas quando atingirmos a curva descendente da pandemia, também é verdade que muitos continuarão a fazê-lo desde casa, seja porque os nossos filhos continuam a estar longe das escolas ou porque a nossa empresa se adaptou a esta nova forma organizacional.

No entanto, a urgência de termos de abandonar o nosso habitual local de trabalho trouxe com ela muitos e novos desafios, tanto aos trabalhadores como às próprias empresas. De facto, a utilização do teletrabalho como alternativa ao nosso local habitual foi um plano de contingência que tivemos de aplicar do dia para a noite, com os erros e falhas expectáveis.

"Tal como a nossa empresa identifica nichos de mercado e oportunidades de negócio, muitos destes hackers, sejam grupos organizados ou lobos solitários, vivem para estes momentos. Para o erro.”

Por muito que alguns de nós o tivessem inscrito nos planos de continuidade do negócio, a verdade é que a realidade muitas vezes traz imponderáveis para os quais nunca estamos preparados.

Foi assim que, um dia, muitas das nossas empresas começaram a laborar a partir de casa dos seus trabalhadores, entre:

  • Um computador pessoal, utilizado muitas vezes por toda a família, com o antivírus desatualizado;
  • Crianças que precisam da nossa atenção a todo o momento e que acabam por nos distrair;
  • Falta de contacto com os nossos colegas para confirmar pedidos, compras e pagamentos;
  • Aplicações que nunca usaram na vida, tal como o Zoom, para poderem continuar a trabalhar.

Alguns de nós adaptámo-nos mais rapidamente e outros de uma forma mais lenta. Mas todos enfrentamos novos desafios em matéria de segurança das nossas bases de dados, sites e informação dos nossos clientes. Muitos passámos a ter de repente plataformas online que não foram testadas o suficiente.

"O cibercrime não deixa, de momento, de ser uma pandemia informática para a qual não há vacina. Mas que pode ser mitigado com a proteção adequada.”

Não é assim surpreendente que com a pandemia o crime cibernético tenha disparado. Tal como a nossa empresa identifica nichos de mercado e oportunidades de negócio, muitos destes hackers, sejam grupos organizados ou lobos solitários, vivem para estes momentos. Para o erro.

Não por acaso temos sido bombardeados com avisos, durante as últimas semanas, sobre a necessidade de adotar medidas preventivas e de alterar os nossos hábitos à frente de um computador, por forma a evitar perder, por vezes de forma definitiva, o nosso trabalho.

Sentimo-nos por vezes impotentes neste admirável mundo novo, mas:

  • Ajudou termos tido formação sobre o RGPD.
  • Ajuda ter um antivírus atualizado.
  • Ajuda ter um seguro de cyber.

Principalmente, ajuda estarmos em contato permanente com os nossos colegas. E perguntar. Perguntar muito.

O cibercrime não deixa, de momento, de ser uma pandemia informática para a qual não há vacina. Mas que pode ser mitigado com a proteção adequada.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Cibercrime: a outra pandemia para as empresas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião