Escritor Luís Sepúlveda morreu vítima do coronavírus

  • ECO
  • 16 Abril 2020

Spúlveda, de 70 anos, tinha sido internado a 27 de fevereiro depois de ter sido contagiado pelo novo coronavírus.

Luís Sepúlveda morreu esta quinta-feira em Gijón, Espanha, vítima do novo coronavírus, avançou a agência Efe e o Público, tendo entretanto a Porto Editora também confirmado. A morte do escritor acontece depois de este ter sido internado no Hospital Universitário Central das Astúrias, em Oviedo, no final do mês de fevereiro. Na semana anterior, participara no festival literário Correntes d’Escritas, na Póvoa de Varzim.

O escritor de origem chilena, de 70 anos de idade, faleceu em resultado de uma falha multiorgânica provocada por complicações derivadas do coronavírus, contra o qual lutava já há mais de um mês, especifica o El Confidencial.

Segundo fontes médicas citadas pela publicação espanhola, o estado de saúde de Sepúlveda mantinha-se “estável dentro da gravidade”, tendo sido várias vezes entubado, enquanto aguardava uma melhoria que acabou por nunca acontecer. Houve mesmo uma ocasião em que foi avançada a sua morte, situação que foi negada. O escritor acabou, contudo, agora por ceder ao Covid-19.

Luís Sepúlveda, nasceu no Chile a 4 de outubro de 1949, estreou-se nas letras em 1969, com “Crónicas de Piedro Nadie” (“Crónicas de Pedro Ninguém”), dando início a uma bibliografia de mais de 20 títulos, que inclui obras como “O Velho que Lia Romances de Amor” e “História de Uma Gaivota e do Gato que a Ensinou a Voar”. Toda a obra do escritor radicado há 23 anos em Gijón, Espanha, está publicada em Portugal.

Luís Sepúlveda era casado com a poetisa Carmen Yáñez, que também esteve hospitalizada e em isolamento.

(Notícia atualizada às 10h20)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Escritor Luís Sepúlveda morreu vítima do coronavírus

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião