Administração dos CTT terá decidido não avançar para lay-off, diz Governo

  • Lusa
  • 29 Abril 2020

“A informação que tenho é que a administração dos CTT terá decidido muito recentemente que não ia para lay-off", diz o secretário de Estado Adjunto e das Comunicações.

O secretário de Estado Adjunto e das Comunicações disse esta quarta-feira que as informações que tem são de que a administração dos CTT terá decidido recentemente não avançar para lay-off, o que considerou uma “decisão corajosa”.

“A informação que tenho é que a administração dos CTT terá decidido muito recentemente que não ia para ‘lay-off’, adiantou Alberto Souto de Miranda, que falava na comissão parlamentar de Economia, Inovação, Obras Públicas e Habitação, no âmbito de uma audição regimental.

O secretário de Estado congratulou-se com a decisão da administração da empresa, classificando-a de “corajosa”, numa altura de quebra de receitas, devido aos efeitos da pandemia de Covid-19, nomeadamente a diminuição de 40% nas receitas do tráfego internacional de encomendas.

Quanto aos despedimentos, Souto de Miranda defendeu que os CTT “são talvez a melhor empresa portuguesa”, com 12.300 trabalhadores, nenhum despedimento durante a crise e “apenas a não renovação de 50 trabalhadores” com contratos a termo.

O secretário de Estado das Comunicações aproveitou, ainda, a ocasião para deixar uma palavra de reconhecimento, não apenas à administração dos CTT, mas também aos próprios carteiros, que fizeram o esforço de ir entregar os vales das reformas a casa de 40.000 beneficiários, numa primeira fase.

“Foi uma iniciativa com risco para os próprios trabalhadores dos CTT e queria deixar uma palavra de reconhecimento aos trabalhadores que ajudaram a solucionar esse problema”, sublinhou o governante.

Alberto Souto de Miranda admitiu que tudo se encaminha para que haja condições para negociar a renovação do contrato de concessão com esta administração da empresa de correios.

“Temos de dar o benefício da dúvida a esta administração, que, até agora, tem demonstrado ter alguma responsabilidade social, num contexto de quebra”, considerou.

Portugal contabiliza 973 mortos associados ao Covid-19 em 24.505 casos confirmados de infeção, segundo o boletim diário da Direção-Geral da Saúde (DGS) sobre a pandemia divulgado hoje.

O “Grande Confinamento” devido à pandemia levou o Fundo Monetário Internacional (FMI) a fazer previsões sem precedentes nos seus quase 75 anos: a economia mundial poderá cair 3% em 2020, arrastada por uma contração de 5,9% nos Estados Unidos, de 7,5% na zona euro e de 5,2% no Japão.

Para Portugal, o FMI prevê uma recessão de 8% e uma taxa de desemprego de 13,9% em 2020.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Administração dos CTT terá decidido não avançar para lay-off, diz Governo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião