Avipronto encerra provisoriamente após detetados trabalhadores infetados

  • Lusa
  • 2 Maio 2020

Encerramento provisório da empresa de produtos alimentares Avipronto, acontece após detetados cerca de 38 trabalhadores contagiados com o novo coronavírus.

O presidente da Câmara Municipal de Azambuja, Luís de Sousa, confirmou este sábado o encerramento provisório da empresa de produtos alimentares Avipronto, onde foram detetados cerca de 38 trabalhadores com covid-19.

“A empresa encerrou hoje e estão a ser tomadas todas as diligências necessárias para testar todos os trabalhadores. Pelo que sei, até ao momento foram realizados 40 testes e houve 38 casos positivos”, adiantou o autarca.

Luís de Sousa explicou que os testes aos cerca de 200 trabalhadores da empresa vão realizar-se até segunda-feira, podendo conhecer-se o resultado dos mesmos “na quarta ou quinta-feira”.

Pelo menos até sexta-feira a empresa vai estar encerrada e, consoante o resultado dos testes, é feita uma reavaliação”, apontou.

Na sexta-feira, também em declarações à Lusa, Luís de Sousa ressalvou que a empresa “cumpre as regras de segurança e higiene”, mas alertou para as condições em que os comboios da CP operam, o principal meio de transporte utilizado pelos trabalhadores para se deslocarem para a empresa.

O autarca defende que a CP deve aumentar o número de carruagens, evitando assim que os passageiros viajem “como sardinhas em lata”.

A Lusa contactou a empresa Avipronto, mas, até a momento não obteve resposta.

Por seu turno, numa resposta escrita enviada à Lusa, fonte da CP ressalvou que a empresa “tem em curso, desde o mês de março, uma ampla operação de higienização e desinfeção dos comboios, que já abrangeu, no último mês, mais de 14.100 intervenções na sua frota”.

Portugal regista hoje 1.023 mortos associados à covid-19, mais 16 do que na sexta-feira, e 25.190 infetados (mais 203), indica o boletim epidemiológico divulgado hoje pela Direção Geral da Saúde.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Avipronto encerra provisoriamente após detetados trabalhadores infetados

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião