Ping An continua nº1 entre marcas de seguros mais valorizadas do mundo

  • ECO Seguros
  • 11 Maio 2020

A Allianz é a segunda e a Axa é 5ª na lista das mais valiosas do mundo. Covid-19 pode destruir 100 mil milhões do valor global das marcas. A Poste Italiane é a marca mais forte.

Pelo segundo ano consecutivo, a chinesa Ping An repete a liderança na lista das marcas de seguros mais valiosas do mundo, indica a classificação divulgada pela consultora Brand Finance. Beneficiando de uma valorização de 20%, do início de 2019 a janeiro de 2020, a marca Ping An vale atualmente 60,6 mil milhões de dólares (cerca de 55,9 mil milhões de euros ao câmbio corrente).

A consolidação do primeiro lugar na lista resultou sobretudo do compromisso da chinesa com a expansão do portefólio e oferta de produtos digitais complementares que posicionam a companhia num patamar à parte de toda a concorrência, nota a publicação. Aliás, a Ping An extravasa os seguros, surgindo em 9º lugar entre as 500 Global 2020, a lista que engloba as marcas mais valiosas de todas as indústrias e setores.

Entre as cinco mais valiosas dos seguros surgem duas europeias: a Allianz, valorizada em 24,84 mil milhões de dólares (cerca de 23 mil milhões de euros), sobe um lugar face ao ano passado, graças a uma valorização de 7,5%, e é agora a 2ª mais valorizada do mundo. Por seu lado, a AXA (5ª da lista), valorizou 3,4% para 16,19 mil milhões de dólares (cerca de 14,93 mil milhões de euros), mas apesar de valer mais desceu um lugar face ao ranking do ano anterior.

A completar as 10 marcas de seguros mais valiosas de 2020, a Brand Finance coloca a China Life em 3º lugar, seguida de outra chinesa a AIA (esta com sede em Hong Kong). Nos sexto e sétimo lugares estão a CPIC e a PICC, também da China. As restantes três do top 10 são a Geico, a Allstate e a Progressive, todas dos EUA. O peso da China é inevitável na lista, com cinco a integrarem o seletivo das 10 mais valorizadas.

O conjunto das 100 marcas consideradas no estudo somam 463,2 mil milhões de dólares (cerca de 427,2 mil milhões de euros), sendo que a China (32,7%) pesa um terço do valor global, os EUA 20,1% e a Alemanha equivale a 8,4%, completando-se assim o Top3 do brand value de seguradoras por países.

Segundo nota o relatório, a pandemia de covid-19 terá efeito negativo de peso no valor das marcas de seguros, podendo subtrair até 20% do valor global destas 100 mais valorizadas, ou o equivalente a 100 mil milhões de dólares de depreciação em termos do brand value.

Comentando a dureza do impacto da pandemia no setor e, em particular, sobre as 100 mais valorizadas, David Haigh CEO da Brand Finance, afirma: “as marcas de seguros poderão enfrentar uma queda até 20% no valor da marca e, sem dúvida, vamos assistir a um abrandamento das receitas” em todo o setor. “Algumas marcas deverão, contudo, sair-se melhor em termos de margens, incluindo as marcas de seguros de propriedade e de acidentes, uma vez que são esperadas menos reclamações deste tipo durante o longo e contínuo período de bloqueio”, antecipa Haigh.

Canada Life e Poste Italiane: as distinções

Entre outros outros temas realçados no relatório, a Brand Finance salienta crescimentos significativos registados no valor de algumas das marcas presentes no ranking. Entre as que figuram no top10, a chinesa CPIC registou o crescimento mais rápido (31% num ano). No conjunto da lista e face a 2019, a Canada Life deu o maior salto em número de posições: graças a uma valorização de 688%, galgou 72 posições (86ª em 2019, para 14º lugar em 2020). A companhia canadiana também beneficiou de uma consolidação (por unificação da Great-West Life e London Life numa marca única: a nova Canada Life).

Além de medir a valorização da marca, a Brand Finance fornece um outro índice que determina a fortaleza relativa das marcas em função de uma série de métricas tomando, por exemplo, o investimento em marketing, dividendos distribuídos a acionistas e desempenho empresarial. De acordo com a consultora, estes critérios mostram a força das organizações permitindo classificá-las num Brand Strenght Index (BSI).

Neste quadro, a Poste Italiane é considerada a seguradora mais forte do mundo, cotando 85,5 num índice máximo de 100 pontos. Entre outros fatores de sucesso reconhecidos à companhia italiana, a Brand Finance realça a forma como a instituição de correios, banca e seguros reagiu à crise da pandemia na resposta dada aos cerca de 35 milhões de clientes que tem em Itália.

No top 10 das mais fortes, o BSI inclui outras três companhias europeias: Allianz em terceiro lugar, a inglesa Legal & General (6ª no índice) e a espanhola Mapfre no sétimo posto.

Em termos de avaliação reputacional, a indústria de seguros continua a mostrar uma posição “modesta” face a outros setores, observa a consultora. Enquanto a indústria automóvel lidera o ranking com 6,9 pontos numa métrica de zero a 10, os seguros ocupam o sétimo lugar, com classificação de 6,4.

Aceda aqui ao resumo do estudo (em língua inglesa).

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ping An continua nº1 entre marcas de seguros mais valorizadas do mundo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião