Segurança Social pagou 371 milhões de euros em apoios a 1,05 milhões de pessoas

  • Lusa
  • 12 Maio 2020

"Neste momento, os apoios pagos até à data já somam 371 milhões de euros no âmbito dos apoios criados nos últimos dois meses", adiantou Ana Mendes Godinho.

A Segurança Social pagou até agora 371 milhões de euros a cerca de 1 milhão e 50 mil pessoas em apoios de resposta à crise causada pela pandemia covid-19, disse esta terça-feira a ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho.

“Neste momento, estes apoios pagos até à data já somam 371 milhões de euros no âmbito dos apoios criados nos últimos dois meses, abrangendo cerca de 1 milhão e 50 mil trabalhadores”, afirmou a ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social.

Ana Mendes Godinho falava na cerimónia de assinatura da declaração de compromisso dos parceiros sociais para a retoma económica e de assinatura do protocolo de cooperação entre a Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP) e a Direção-Geral da Saúde (DGS).

No caso do lay-off simplificado, a ministra disse que, neste momento, o apoio foi pago “a 72 mil empresas abrangendo 623 mil trabalhadores”, sublinhando “o esforço enorme” dos serviços da Segurança Social “para garantir a capacidade de resposta em tão pouco tempo, num quadro de grandes dificuldades” a empresas e trabalhadores.

“Em poucas semanas foi possível, com todos, criar várias medidas extraordinárias de apoio às empresas e aos trabalhadores, desde o apoio à manutenção aos postos de trabalho, apoio à família, à redução da atividade dos trabalhadores independentes e dos sócios-gerentes e também a recente medida criada de apoio aos trabalhadores informais para entrarem no sistema de proteção social”, realçou Ana Mendes Godinho.

Sobre a declaração de compromisso assinada com os parceiros sociais, a ministra considerou que “é o reflexo do esforço coletivo” que tem sido feito para encarar a pandemia Covid-19 e que “este é o tempo da retoma sustentável das atividades, do reforço do apoio às empresas, ao emprego e às pessoas”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Segurança Social pagou 371 milhões de euros em apoios a 1,05 milhões de pessoas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião