Covid-19: Seguradora do Hellfest recusa indemnizar cancelamento

  • ECO Seguros
  • 13 Maio 2020

O diferendo envolve interpretação e clausulado de um cosseguro, partilhado por três companhias. A seguradora com maior quota na apólice diz que a exclusão é absoluta, mas quer ajudar numa solução.

A querela entre a organização do festival de música metálica Hellfest, em Clisson, na região do Loire-Atlantique, e a seguradora Albingia centra-se na interpretação que as partes fazem de uma cláusula da apólice onde se referem os riscos – e exclusão – de epidemias como a gripe aviária, Síndrome Respiratória Aguda Severa (vulgo SRAS), ébola e outras.

O festival estava agendado para decorrer entre 19 e 21 de junho e foi cancelado por causa da pandemia covid-19, como já aconteceu com muitos outros eventos. De acordo com a imprensa francesa, Ben Bernaud, diretor do festival, refere que a apólice foi contratualizada a 17 de dezembro de 2019, antes de ser conhecido o início do surto da doença (covid-19) na China.

A apólice custou 175 mil euros e, de acordo com empresário, devia assegurar uma indemnização em caso de se verificar uma epidemia. O cancelamento devido à propagação da pandemia já representa perdas estimadas em 2 milhões de euros, ou seja, o equivalente a um décimo do orçamento total do festival, mas a refletir despesa já realizada com salários de cerca de 20 colaboradores, custos de promoção, encargos com empréstimos bancários, etc.) As mesmas fontes adiantam ainda que a apólice supõe um cosseguro (risco partilhado por mais de uma seguradora), em que a Albingia responde por 40% das responsabilidades e os restantes 60% estarão repartidos pela Generali e a Pont Neuf.

No comunicado que anuncia a decisão de autoridades municipais obrigando ao cancelamento de eventos, a produtora do concerto acusa a Albingia de recusar a assunção das consequências financeiras do cancelamento. O tomador do seguro sustenta ainda que companhia mostra má-fé por, alegadamente, ter alterado clausulado em janeiro de 2020.

Por seu lado, Laurent Claus, director técnico da Albingia, já reagiu e explica a posição da seguradora: “(…) compreendemos o sentimento causado pelo cancelamento, tanto para os organizadores como para os espetadores do festival. O seu desapontamento é legítimo (…), em particular neste período particularmente difícil que atravessamos”.

A seguradora já explicou que a pandemia atual, em particular, só pode ser considerada entre as doenças excluídas e as causas do cancelamento não se enquadram nos termos da apólice. Em síntese, para a seguradora, a exclusão é absoluta e aplica-se de forma sistemática. Por isso, de acordo com a companhia, dado que o tomador não subscreveu qualquer cobertura adicional, a apólice não tem qualquer efeito no caso da covid-19.

Embora a seguradora já terá dito ao cliente que o caso não está encerrado, o diferendo já envolve a interposição de advogados. Enquanto isso a Albingia, companhia detida por uma holding familiar, procura salvaguardar a sua reputação mobilizando esforços para criação de um fundo patrocinado pelo governo e dedicado ao segmento de eventos.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Covid-19: Seguradora do Hellfest recusa indemnizar cancelamento

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião