Grupo Ageas destaca crescimento em Portugal no 1º trimestre

  • ECO Seguros
  • 16 Maio 2020

O resultado líquido do grupo belga disparou 80% refletindo ganhos extraordinários, enquanto Portugal é destaque pelo crescimento em não Vida.

O resultado líquido do grupo belga Ageas no negócio segurador situou-se em 113 milhões de euros, em declínio de 66% face a igual trimestre de 2019, com o desempenho operacional a ser penalizado por depreciação de portefólio de investimentos na Bélgica e na Ásia, sendo esta última a geografia que mais pesa nos resultados do grupo.

Bart De Smet, CEO mundial do grupo Ageas: “Em consequência das incertezas externas, vê-se a impossibilidade de manter as previsões de lucros para 2020”.

Detalhando por tipo de carteira, a Ageas indica que o resultado líquido do negócio Vida ascendeu a 89,1 milhões de euros, encolhendo 60% em termos homólogos, enquanto não Vida recuou 32%, para cerca de 24 milhões, penalizado por eventos meteorológicos extremos na Bélgica e no Reino Unido.

Abordando o desempenho por regiões, a Europa continental (que integra a operação em Portugal) foi o único segmento geográfico a registar crescimento (+46%) na comparação homóloga. Salientando “forte desempenho” comercial no conjunto das linhas de negócio, o grupo contabiliza 11,96 mil milhões de euros de entradas brutas (-7% face ao trimestre comparável de 2019 e a incluir operações que não consolida a 100%), refletindo desaceleração em inflows (entradas) do negócio Vida.

Na Europa continental, o resultado líquido (atribuível a acionistas) cresceu 46% no negócio segurador, para 46,2 milhões de euros, com a evolução não Vida a sustentar a melhoria do rácio combinado regional, o qual passou de 91,7%, um ano antes, para 87,3% em março de 2020.

A evolução do negócio não Vida europeu continental também reflete, em particular, “forte desempenho” em Portugal e Turquia, mercados onde a companhia verificou “crescimento sólido” na captação de recursos, nota o documento.

A Ageas admite que os efeitos da pandemia (Covid-19) sobre os mercados financeiros, os níveis das taxas de juro e o contexto económico tiveram algum efeito no resultado trimestral, embora com “impacto direto limitado a nível de sinistros e da atividade comercial” da seguradora junto dos particulares e das pequenas empresas, assume a instituição.

Citado no comunicado da companhia Bart De Smet, CEO da Ageas, refere: “A natureza dos impactos da pandemia covid-19 sobre a sociedade é inédita.” Afirmando ser pouco provável um regresso à normalidade no curto prazo, o presidente executivo do grupo admite que o impacto da pandemia na economia e nos mercados financeiros se venha a refletir “no desempenho e nos resultados ao longo do ano. Em consequência destas incertezas externas, Ageas vê-se na impossibilidade de manter as previsões de lucros para 2020,” assume De Smet.

O lucro da Ageas SA/NV cresceu 80% no primeiro trimestre, considerando elementos extraordinários , gerados com transação sobre valores mobiliários no final de 2019. O lucro de 452 milhões de euros na conta geral (251 milhões no primeiro trimestre de 2019), reflete o efeito positivo de aproximadamente 339 milhões de euros em one-off relacionado com a operação bolsista.

De acordo com a informação divulgada, a revisão de contratos de resseguro (envolvendo alterações sobre taxas de cessão em mercados como Bélgica, Reino Unido e Portugal) não teve impacto nas contas do trimestre, mas influenciou os números na perspetiva das contas por regiões. A revisão dos tratados de resseguro operada no início de 2020 e que, em Portugal, elevou limites de quota-parte e perdas transferíveis (de 20% para 40%) e permitiu libertar reservas que beneficiaram o resultado do setor Vida na Europa continental, explica o relatório.

No final do trimestre e a testemunhar o rendimento operacional global, a companhia apurou um rácio combinado de 99,7%, levemente deteriorado face aos 98,3% de um ano antes. Na perspetiva da solidez do balanço, o rácio Solvência II é calculado em 196%.

O grupo belga opera em Portugal através da Ageas Seguros, Ocidental, Médis, Seguro Directo e Ageas Pensões.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Grupo Ageas destaca crescimento em Portugal no 1º trimestre

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião