EDP vende ativos em Espanha à Total por 515 milhões de euros

Operação, que deverá concretizar-se no segundo semestre de 2020, vai render uma soma de 515 milhões de euros à empresa liderada por António Mexia.

A EDP vendeu dois grupos da central de ciclo combinado de Castejón, na região de Navarra, em Espanha, com 843 MW de potência, e o negócio
comercial junto de clientes residenciais à Total. A operação, que envolve ainda a venda da participação de 50% na CHC Energia, joint-venture com a CIDE para comercialização de energia no retalho, vai render uma soma de 515 milhões de euros à empresa portuguesa.

Esta transação, que deverá concretizar-se no segundo semestre de 2020, após as devidas aprovações das entidades reguladoras, “resulta da estratégia de otimização proativa do portfólio, em execução pela EDP de acordo com o plano estratégico 2019-2022, enquadrando-se na renovação do portfolio EDP no mercado Ibérico, que tem como objetivo reduzir a exposição a produção térmica e a atividades liberalizadas”, refere a empresa em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

António Mexia considera que esta “é uma excelente operação para a EDP que, mais uma vez, realça a qualidade dos nossos ativos, mas também a nossa sólida capacidade de execução, pois continuamos a criar valor significativo com a estratégia de otimização de portefólio definida no nosso plano de negócios”.

Com esta transação, em que o Santander Corporate & Investment Banking (CIB) atuou como assessor financeiro exclusivo da EDP, a empresa “ultrapassa claramente o objetivo de dois mil milhões de euros de alienações no mercado ibérico, atingindo com este acordo 65% do objetivo global de seis mil milhões de alienações no período 2019-2022 (incluindo operações de rotação de ativos renováveis), o que proporciona flexibilidade adicional na execução remanescente do plano estratégico até 2022″, nota.

Espanha continua a ser aposta

Apesar da venda destes negócios, a EDP assegura que Espanha “continuará a ser um mercado estratégico, com uma contribuição ativa para o objetivo da empresa de liderar a transição energética”.

“Após este acordo, a EDP manterá mais de 95% do EBITDA em Espanha, que é um dos nossos mercados estratégicos e onde continuaremos a investir na geração, redes e fornecimento de renováveis, tanto no segmento B2B como no novo downstream”, refere Mexia.

A elétrica diz que “continuará a investir em novas centrais de energia renovável e na transformação de centros de produção já existentes, como é o caso da Central de Aboño (Astúrias), onde o grupo 1 será adaptado para queimar gás de aço e tornar-se numa fonte de geração de eletricidade”.

“A aposta da EDP no mercado espanhol passa também por melhorias nas redes elétricas e por oferecer uma ampla gama de serviços às empresas, segmento no qual mantém significativo um portefólio comercial”, remata.

(Notícia atualizada às 7h46 com mais informação)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

EDP vende ativos em Espanha à Total por 515 milhões de euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião