Trabalhadores informais e recibos verdes sem descontos têm de pedir apoio até 30 de junho

Os novos apoios destinados aos trabalhadores informais e aos "recibos verdes" sem descontos têm de ser requeridos até ao final de junho e não são cumuláveis com outras prestações sociais.

Os trabalhadores informais e os trabalhadores independentes que não tenham feito descontos para a Segurança Social no último ano têm até ao final de junho para pedir os novos apoios lançados pelo Executivo de António Costa em resposta à pandemia de coronavírus. Em ambos os casos, a ajuda tem o valor máximo de 219,4 euros, ou seja, metade do montante do Indexante dos Apoios Sociais (IAS).

No caso dos trabalhadores informais — isto é, “que não se encontram enquadrados no sistema de Segurança Social” –, o acesso ao apoio está dependente do início ou reinício de atividade independente junto da administração fiscal. Estes trabalhadores têm, depois, de manter a atividade aberta por, pelo menos, 24 meses, numa espécie de período de fidelização à Segurança Social.

Esta ajuda tem a duração de dois meses e o seu valor corresponde a metade do montante do IAS, isto é, 219,4 euros. De acordo com o decreto-lei que fixa as regras desta medidas e segundo sublinha a Direção-Geral do Emprego e das Relações de Trabalho (DGERT), esta apoio pode ser requerido até 30 de junhocalendário semelhante ao das outras medidas extraordinárias lançadas pelo Governo, como o do apoio para trabalhadores independentes com descontos e o do lay-off simplificado — e não é cumulável com outras prestações sociais.

Por esclarecer está, contudo, como funciona esse requerimento. Por exemplo, no site da Segurança Social, na aba dedicada ao surto de Covid-19 não consta qualquer informação sobre esta matéria. E a DGERT também não explica como funcionará esse processo.

Já no caso dos trabalhadores independentes que não tenham feito descontos para a Segurança Social no último ano — é o caso, por exemplo, dos trabalhadores que iniciaram atividade há menos de 12 meses e estavam, assim, a beneficiar de isenção de contribuições –, o apoio tem a duração de um mês, mas é renovável mensalmente até um máximo de três meses.

O valor da ajuda é calculado com base na “média da faturação comunicada para efeitos fiscais entre 1 de março de 2019 e 29 de fevereiro de 2020″, com um máximo de 219,41 euros. Também neste caso, salienta a DGERT, a ajuda tem de ser pedido até 30 de junho, embora o formulário para esse fim não esteja, por agora, disponível.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Trabalhadores informais e recibos verdes sem descontos têm de pedir apoio até 30 de junho

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião