Venda de seguros caiu 40% em abril face a igual mês de 2019

  • ECO Seguros
  • 18 Maio 2020

O valor dos prémios emitidos pelas seguradoras em Portugal teve uma queda de 40% em abril deste ano em comparação com um ano atrás. O ramo Vida foi a principal causa, mas a Covid-19 manifestou-se.

Os prémios emitidos pelas seguradoras em Portugal em abril de 2020 foram 40% inferiores a de igual mês de 2019, revelam dados da Produção divulgados pela APS – Associação Portuguesa de Seguradores. O ramo Vida, continua a ser o mais penalizador tendo faturado apenas 41 milhões de euros enquanto em igual mês do ano passado tinha recolhido 308 milhões de euros. Esta queda de 71% junta-se a outras verificadas no primeiro trimestre.

A Covid-19 não se fez sentir no total dos ramos Não Vida, apesar de em Acidentes de Trabalho se manter um segundo mês de estagnação ou mesma ligeira baixa, mas longe do esperado dado o encerramento de algumas empresas e do lay-off de muitas outras. O ramo automóvel voltou a subir em abril 5,2% face a igual mês do ano passado, apesar da quebra na venda dos automóveis novos.

No total, todo o negócio segurador caiu 27,7% nos primeiros quatro meses deste ano, face a igual período do ano passado. A venda de seguros no primeiro quadrimestre de 2020 recuou para 3,2 mil milhões de euros, quando comparado com igual período de 2019, em que tinha atingido 4,55 mil milhões. O ramo Vida caiu para metade e hoje significa 41% do total do mercado enquanto no ano passado significava 59%. O conjunto dos ramos Não Vida representam hoje, obviamente, 59%.

Ramos Não Vida: Seguro de saúde contraria todas a tendências

Os ramos Não Vida, mantiveram, mas abrandaram, crescimento ao longo dos 4 meses iniciais do ano. Se em janeiro e fevereiro apresentavam crescimentos de 6 e 9% respetivamente, em março abrandou para 5% e no último mês para 4,5%, totalizando 1.947 milhões de euros no quadrimestre.

Por ramos o comportamento é o seguinte:

  • Automóvel (que representa 35% do negócio Não Vida) regista um crescimento de 5,3% desde o início do ano, para quase 680 milhões de euros. No mês de abril, já em plena crise Covid-19 e com uma enorme quebra na venda de automóveis novos, cresceu 5,2% as suas receitas face a igual mês do ano passado.
  • Saúde/Doença (20% de Não Vida) mantém-se a estrela com crescimento de 10,2% face ao ano passado, totalizando perto de 400 milhões de euros de produção no quadrimestre.
  • Acidentes de Trabalho (outros 20% nos ramos Não Vida) são o único setor a revelar já sinais da crise. O crescimento de 7,8% em 4 meses face ao ano passado, deve-se a fortes crescimentos em janeiro e fevereiro, de 11% e 25% respetivamente. Já em março registou um decréscimo de 1% e este mês estagnou em relação a abril de 2019.
  • Incêndio e Outros danos, onde se inclui multiriscos (representa 17% do Negócio Não Vida) cresceu 10,7% no último mês – já em período Covid-19 e 10,2% desde o início do ano, contrariando a tendência quer em particulares (seguros de habitação e condomínios), quer em empresas (comércio e indústria).
  • Nos outros ramos Não Vida, que no seu conjunto são apenas 8% do volume de prémios, a nota mais importante é no ramo Transportes que, após uma queda de 29% em março face a um ano antes, caiu em abril 8,6% e no conjunto dos 4 meses de 2020 revela uma baixa de 6% face a igual período de 2019.

Vida: PPR com queda de 86% em abril

O ramo Vida, mantém uma linha descendente de atração de poupanças que começa a atingir níveis preocupantes. São produtos alternativos ou complementares ao tradicional sistema de segurança social, penalizados pelas contínuas taxas de juro baixas nos mercados internacionais e da previsão de que assim se manterão nos próximos anos. Também a ausência de incentivos governamentais evidentes à subscrição de produtos poupança e reforma por particulares e empresas leva a um desinteresse generalizado que também está a chegar ao canal bancário.

O setor Vida está a revelar-se assim:

  • PPR é o produto que mais sofre. No primeiro quadrimestre de 2019, com 1390 milhões de euros recolhia 51% da faturação do ramo Vida. Em igual período de 2020 está com vendas de apenas 345 milhões de euros e 26% de quota no mercado Vida.
  • Produtos de capitalização: Hoje tem 48% do negócio Vida, registou uma queda de 34,3% e, só em abril baixou vendas em 74% relativamente a igual mês do ano passado.
  • Produtos de Risco Puro: mantém-se em crescimento desde o início do ano, dado serem seguros de vida, com cobertura para outros riscos, mas sem dependência de investimentos e de nível de taxas de juro. Estes produtos cresceram 5% desde o início do 2020 face a igual período do ano passado e passou a representar 21% do negócio Vida, o dobro de quota de mercado face a 2019.

Os dados agora divulgados não indicam a repartição de mercado por seguradoras, ams apenas a informação prestada por todas as seguradoras do mercado que são associadas da APS, o que significa mais de 98% do mercado representado.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Venda de seguros caiu 40% em abril face a igual mês de 2019

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião