ACAP lança selo de “estabelecimento seguro” para setor automóvel

  • Lusa
  • 19 Maio 2020

Promoção de um selo de “estabelecimento seguro” visa dar mais confiança aos consumidores, numa altura em que as vendas do setor seguem a cair 70%.

A Associação Automóvel de Portugal (ACAP) está a promover um selo de “estabelecimento seguro”, com o objetivo de dar mais confiança aos consumidores, numa altura em que o setor segue a cair 70%.

Num webinar promovido pela ACAP e pelo Standvirtual, o secretário-geral da associação, Hélder Pedro, anunciou o lançamento deste selo, à imagem do que acontece por exemplo no turismo, e que permite que a empresa demonstre ao público que assinou um protocolo sanitário, que foi acordado entre o setor e o Governo.

“Vamos lançar uma campanha nas redes digitais para promover o selo para que os clientes ganhem confiança”, indicou, explicando que este selo está limitado aos associados da ACAP, mas dando conta de que existe um “processo muito rápido para os comerciantes que não são associados e que é despachado em 24 horas”, permitindo que adiram à ACAP.

“Fomos um dos primeiros setores a abrir e essa confiança que o Governo nos deu leva a ACAP a querer fornecer esse selo”, indicou Hélder Pedro, salientando, no entanto, a associação não é “uma entidade certificadora”, sendo este processo apenas uma forma de mostrar que a empresa em causa aderiu ao protocolo.

Hélder Pedro indicou ainda que nos primeiros dez dias de maio houve uma queda de quase 70% na venda de ligeiros, em termos homólogos, apesar da abertura dos stands no dia 4 deste mês.

Esta queda, reconheceu Hélder Pedro, foi “ainda muito significativa”. “Sempre dissemos que não era uma reabertura na primeira fase que iria levar a uma corrida aos concessionários”, salientou.

Ainda assim o cenário foi melhor em relação a abril, “o que mostra que era importante reabrir o setor”, adiantou.

Em comparação com os primeiros dias de abril, quando se venderam 1.241 veículos ligeiros, em maio o número subiu para 2.226 automóveis.

Antes disso, a ACAP já tinha revelado que o mercado automóvel em Portugal registou uma “queda histórica” de 84,6% em abril, face ao mesmo mês de 2019, tendo sido matriculados 3.803 veículos.

“Nem em fevereiro de 2012, em plena crise financeira internacional, com uma descida histórica de 52,3%, o mercado caiu tanto num único mês como no passado mês de março (-56,6%) e em abril de 2020 (-84,6%)”, referiu a associação em comunicado, no início de maio.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

ACAP lança selo de “estabelecimento seguro” para setor automóvel

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião