Apoios aos sócios-gerentes votados na próxima semana. PS pediu adiamento

Os deputados da Comissão de Economia deveriam ter votado, esta terça-feira, as propostas que reforçam o apoio aos sócios-gerentes, mas o PS pediu o adiamento dessa discussão.

As propostas que reforçam a proteção social dos sócios-gerentes e que foram aprovadas na generalidade, há pouco menos de duas semanas, no Parlamento só deverão ser discutidas e votadas na próxima semana. Os deputados iam fazê-lo esta terça-feira, mas a pedido do PS a apreciação foi adiada.

De acordo com a agenda da Comissão de Economia, Inovação, Obras Públicas e Habitação, deveriam ter sido votados na especialidade, esta terça-feira, não só os projetos de lei do PSD, do PAN e do PEV, mas também o diploma do Bloco de Esquerda, que não chegou a ser votado na generalidade.

Segundo apurou o ECO junto de fontes parlamentares, esse calendário foi, contudo, alterado, a pedido do PS, estando previsto que as propostas sejam agora votadas na próxima semana.

Ao ECO, o deputado socialista Hugo Costa explicou que o adiamento foi pedido porque os partidos não cumpriram os prazos de apresentação das propostas. As bancadas tinham até ao meio dia de sexta-feira para as entregarem, mas só o fizeram na segunda-feira, o que não deu tempo ao PS para fazer a “análise mais fina” que merecem, garante o deputado. “O adiamento não tem a ver com a questão política, mas com a questão regimental“, assegura o mesmo, sublinhando, ainda assim, que todas as propostas, nos moldes atuais, violam a norma travão, que impede o Parlamento de fazer novas despesas.

Em cima da mesa estão propostas que, contra a vontade dos socialistas, estabelecem o alargamento do regime de lay-off aos sócios-gerentes. O ECO sabe, além disso, que os partidos já estão a trabalhar na construção de um texto comum de modo a garantir o apoio suficiente para que esta medida receba “luz verde” na votação final.

Do lado do PAN, por exemplo, defende-se que este alargamento do lay-off não pode prejudicar os sócios-gerentes que já aderiram ao apoio atualmente em vigor. Enquanto do lado do Bloco de Esquerda, exige-se que o eventual novo apoio seja retroativo ao início da situação de crise pandémica. Até ao momento, a negociação entre os partidos no sentido da criação do referido texto comum ainda não está fechada.

De notar que esta é uma matéria que veio semear a discórdia entre o Governo e a Assembleia da República. Isto porque o Executivo defende que o apoio aos sócios-gerentes deve ser igual àquele disponibilizado aos trabalhadores independentes e só deve estar disponível nos casos em que a faturação anual é inferior a 80 mil euros. Já no Parlamento estão em discussão propostas que alargam o lay-off simplificado aos sócios-gerentes, o que potencialmente garantiria uma ajuda bem mais robusta.

Em resposta, o PS já veio avisar que poderá mesmo recorrer ao Tribunal Constitucional se estas últimas propostas avançarem, argumentando que poderá estar em causa uma violação da norma-travão.

(Notícia atualizada às 16h35 com declarações do PS)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Apoios aos sócios-gerentes votados na próxima semana. PS pediu adiamento

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião