Executiva da AXA para emergentes vence 1ª ediçao Women in Insurance Award

  • ECO Seguros
  • 27 Maio 2020

A executiva da AXA foi distinguida pelo contributo na implementação de seguros em regiões emergentes, promovendo a inclusão financeira de populações mal servidas destes serviços.

A Associação de Genebra, um think tank da indústria seguradora, entregou o primeiro galardão do prémio anual “Women in Insurance Award” a Garance Wattez-Richard, CEO da AXA Emerging Customers pela sua contribuição na redução do fosso existente em seguros nos mercados emergentes e pelo benefício que levou a populações mal servidas.

Wattez-Richard lidera a área de Clientes Emergentes da AXA desde a sua criação, em 2016. Este departamento distribui agora seguros a 18 milhões de clientes na Ásia, África e América Latina, envolvendo mais de 50 parceiros dos setores público e privado em 10 países. Entre as conquistas alcançadas pelo projeto, a AXA protege 500.000 empresários no Egito, 75% dos quais são mulheres, e faz parcerias com o Airtel Payment Bank na Índia para proteger 3 milhões de clientes.

Charles Brindamour, CEO da Intact Financial e presidente da associação sediada em Genebra, felicitou Wattez-Richard afirmando: “A sua dedicação à promoção de seguros inclusivos terá um impacto duradouro, capacitando tanto os clientes individuais como os clientes empresariais”.

Por seu lado, a galardoada registou: “O prémio Women in Insurance Award é um reconhecimento precioso do trabalho que a minha equipa e eu temos vindo a fazer para alargar as fronteiras dos seguros e tornar a proteção relevante e acessível a mais segmentos da população mundial.”

O júri que selecionou as candidatas ao novo prémio “Mulheres em Seguros” incluiu Brian Duperreault, CEO da AIG; Dame Inga Beale, antiga CEO da Lloyd’s of London, e Lucie Martel, Directora de Recursos Humanos da Intact Financial.

Wattez-Richard iniciou a sua carreira na Comissão Europeia, tendo passado também pelo BERD (Banco Europeu de Reconstrução e Desenvolvimento). Depois da passagem pelas instituições da UE e mais alguns anos de experiência em consultoria estratégica em Londres, ingressou na Axa, onde começou por trabalhar na área de gestão de investimento. Em 2016, acompanhou a criação e assumiu a direção da nova unidade de negocio (Emerging Customers).

A edição inaugural do Women in Insurance Award foi lançado em dezembro 2019. O processo de nomeações para a edição de 2021 será aberto em novembro deste ano e as candidaturas em fevereiro de 2021.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Executiva da AXA para emergentes vence 1ª ediçao Women in Insurance Award

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião