Formação b.law-ECO revê medidas Covid-19 face ao regime de seguros

  • ECO Seguros
  • 28 Maio 2020

A primeira sessão de formação em seguros b.law+ECO proporcionou análise prática dos atos legislativos e setoriais relacionados com a pandemia e seus efeitos junto dos consumidores e operadores.

O módulo “Coronavírus: as repercussões legais nos seguros” foi coordenado pela b.Law e teve as contribuições de Patrícia Assunção Soares (Legal Counsel na Una Seguros e doutoranda em Direito na UNL) e Margarida Lima Rego (Professora Associada e Vice-Reitora da Faculdade de Direito da Universidade Nova), especialistas em direito dos seguros, também colaboradoras pontuais de ECOseguros.

Cumprindo o programa, a ação de formação discutiu a temática em diversos ramos e coberturas (automóvel; saúde; trabalho, multirriscos; viagens e seguro de crédito), articulando os atos legislativos e regulatórios publicados nas últimas semanas e sua aplicação a cada categoria e cobertura, particularizando também consequências da pandemia, como o estado de emergência e condicionamentos do confinamento à atividade de seguros e mediação.

Amiúde com aprofundamento técnico e jurídico, a sessão reviu os diversos atos institucionais e suas aplicações práticas à luz do Regime Jurídico do Contrato de Seguro e outra legislação relevante.

Entre os temas abordados e, por exemplo, em relação aos danos de exploração, Patrícia Soares explicou que, este tipo de coberturas complementares – que geralmente estão incluídas em seguros multirrisco contratados para estabelecimentos comerciais – apenas preveem danos físicos e materiais de sinistros como, por exemplo, inundações.

Constituindo uma cobertura complementar decorrente de um sinistro central (inundação, incêndio) “os danos da pandemia não são propriamente deste tipo.”

Por seu lado, Margarida Lima Rego complementou: “Não significa isto que não seja possível negociar um pacote de seguros que inclua esta cobertura”. Os produtos standard, em regra, “deixam de fora a situação de pandemia”, explicou, acrescentando que no atual contexto interessa dar atenção ao papel de mediadores e consultores de seguros.

Munindo-se dos artigos do Regime Jurídico do Contrato de Seguro (RJCS), Patrícia Soares assinalou também que, nos seguros de responsabilidade civil (RC), os danos decorrentes da pandemia “estão praticamente fora” do clausulado das apólices. Na interpretação, em termos de pandemia, “não se verificam efeitos”, concretizou.

Complementando e depois de considerar que face à clareza do clausulado RC “não surgem questões”, Margarida Rego observou: “exceto quanto a estabelecimentos de saúde e pessoal médico”, nomeadamente quando se questiona, por exemplo, “se se pode acionar o seguro” de RC quando uma pessoa devido à pressão nos serviços de saúde não pôde ser atendida em circunstancias normais. Aqui, a situação de excecionalidade gerada pela pandemia “pode ser causa de exclusão de culpa”, disse.

E, em eventuais participações de sinistro relativos a contágios de pessoal de saúde pelo novo coronavírus covid-19? Margarida Rego situou a problemática entre as figuras “acidente de trabalho” e “doença profissional”, admitindo que se venha a verificar uma querela interpretativa, que terá de ser dirimida em tribunal.

“Os tribunais irão considerar o contagio dos profissionais de saúde como doença profissional em vez de acidente de trabalho. Vão ser litígios que sem dúvida irão parar a tribunal. Não creio que o setor segurador tenha argumentos para afastar a situação de acidente de trabalho”, considerou a docente.

Nas notas finais, Patrícia Soares considerou que o aspeto legislativo de maior impacto a destacar do Decreto-Lei nº20-F/2020, de 12 de maio é a alteração do regime de pagamento do seguro para o patamar de “imperatividade relativa”, pelo seu alcance em todo o processo de contratualização do seguro. Explicou ainda que, face ao artº 92 do RJCS, o DL estabelece o direito de tomadores requererem a redução do risco, mas com as necessárias adaptações. “É preciso alguma cautela”, advertiu, “porque o próprio DL é temporário” (vigorando de 13 maio a 30 setembro).

A especialista recordou ainda que face às alterações admitidas, o DL também “não define data de eficácia das alterações” contratuais entre segurador e tomador. Perene, o que é necessário reter é que “o regime transitório pressupõe sempre acordo” (entre segurador e segurado), amenizou Margarida Rego.

Ao longo da formação, os participantes puderam avaliar com detalhe o impacto das medidas do governo, iniciativas de seguradoras (emanadas através da APS); circulares e recomendações, além de regulamentos da entidade de supervisão (ASF); o Guia do Consumidor elaborado pelo regulador europeu (EIOPA) e outros instrumentos.

A sessão online foi organizada e coordenada pela b.law, especialista em formação exclusivamente jurídica específica – para não juristas e público em geral – sobre matérias relevantes para os diversos setores da atividade económica e dirigida, em parceria com o ECO e foi dirigida a profissionais de seguros, empresários e aos leitores interessados.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Formação b.law-ECO revê medidas Covid-19 face ao regime de seguros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião