Governo retifica valores de apoio à comunicação social. São estes

  • Lusa
  • 28 Maio 2020

Executivo corrigiu valor atribuído ao Observador, mas o montante global manteve-se inalterado com SIC e TVI a receberem maior fatia. Tanto Observador como ECO rejeitam apoio.

O Governo reviu em baixa os apoios aos meios de comunicação social de âmbito nacional para subir o montante atribuído ao Observador, mas mantendo o valor total da ajuda de 11,2 milhões de euros, revela uma retificação publicada esta quinta-feira.

Os montantes de apoio do Estado aos media – para comprar espaço/tempo para publicidade institucional no âmbito da pandemia da doença covid-19 – tinham sido publicados há duas semanas, em 19 deste mês, destinando 19,9 mil euros para o Observador que, no dia seguinte, anunciou juntamente com o ECO rejeitar os apoios atribuídos pelo Estado.

Na declaração de retificação, hoje publicada em Diário da República, a presidência do Conselho de Ministros aumenta o valor de apoio ao Observador para 90,5 mil euros, mas mantém as maiores fatias de apoio para a Impresa (SIC) e para a Media Capital (TVI).

A compra antecipada de publicidade institucional por parte do Estado, no montante de 15 milhões de euros, foi anunciada em 17 de abril, destinando a 13 órgãos de comunicação social de âmbito nacional 11,25 milhões de euros, ou 75% dos 15 milhões de euros (IVA incluído).

A SIC e a TVI são os órgãos com a maior fatia de apoio, acima dos três milhões de euros cada, mas a retificação hoje publicada diminui os montantes de apoio.

A Impresa — Sociedade Gestora de Participações Sociais, em vez de 3,491 milhões de euros vai receber 3,469 milhões de euros, e o Grupo Média Capital, em vez de 3,342 milhões de euros, desce para 3,321 milhões de euros.

Os restantes 25% de apoios vão para os meios de comunicação regional e local, dos quais 2,019 milhões em aquisições a realizar a detentores de publicações periódicas de âmbito regional e 1,731 milhões em aquisições a realizar a detentores de serviços de programas radiofónicos de âmbito regional e/ou local.

“A presente pandemia aumentou significativamente as necessidades do Estado em fazer campanhas de publicidade institucional, designadamente sobre as medidas higiénicas e de confinamento que os cidadãos tiveram de tomar. Essa necessidade prolongar-se-á durante este ano, não só para as medidas diretas de prevenção da pandemia, mas também, e sobretudo, para a retoma da atividade económica e cultural, bem como para endereçar problemas sociais que poderão agudizar-se face à crise económica e sanitária causada pela pandemia da doença Covid-19”, explicou o Governo no diploma que, em 19 de maio, autorizou a compra excecional de publicidade institucional do Estado.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo retifica valores de apoio à comunicação social. São estes

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião