Substituir Siza Vieira? “Não tem fundamento. O meu trabalho é de mero cidadão”

Costa e Silva é o novo conselheiro do Governo que vai desenhar o plano de retoma da economia. O gestor explicou ao ECO que trabalha 'pro bono' e quer falar com partidos, parceiros e empresas.

O gestor da Partex António Costa e Silva vai ajudar o Governo a desenhar o plano de retoma da economia após a pandemia. Ao ECO, explica que é uma tarefa que levará meses e para a qual conta com a ajuda de partidos, parceiros sociais e empresas. Mas garante que cumpre um “dever cívico” e que nada tem a ver com uma eventual substituição de Pedro Siza Vieira no ministério da Economia.

O meu trabalho é de mero cidadão. É apenas uma tarefa cívica que estou a desempenhar pro bono. Continuo na minha empresa e o resto são especulações sem fundamento“, diz Costa e Silva ao ECO, sobre a possibilidade de ser o próximo ministro da Economia.

A hipótese foi avançada pelo Expresso, ao noticiar que o CEO da Partex está a trabalhar em colaboração com o primeiro-ministro António Costa. O semanário referiu, no sábado, que a saída do ministro das Finanças Mário Centeno do Governo depois do verão poderia ser colmatada com uma passagem de Siza Vieira para as Finanças e a entrada de Costa e Silva para o Governo, com a pasta da Economia.

O CEO da Partex não quis fazer mais comentários sobre essa possível mudança, confirmando apenas que “houve um convite do primeiro-ministro para fazer um plano a médio e longo prazo“. Explicou que esta será uma base de trabalho e que, ao longo dos próximos meses, pretende falar com vários membros da economia, apesar de dois partidos (Bloco de Esquerda e CDS-PP) já terem rejeitado fazer negociações que não sejam com membros do Governo.

"A proteção social das pessoas e das empresas é muito importante. Tem de haver um pacto com o Estado para capitalizar as empresas. É importante ajudar a capitalizar as empresas que têm futuro para não deixar que entrem em coma.”

António Costa e Silva

CEO da Partex

O programa tem sete ou oito objetivos estratégicos“, avança engenheiro de minas, apontando para âmbitos como: transportes ferroviários; infraestruturas portuárias; gestão de recursos de água; competências digitais das pequenas e médias empresas; reforço do investimento no sistema nacional de saúde (tanto em equipamentos como em recursos humanos); reconversão industrial; recursos endógenos; coesão territorial ou transição energética. “O que se pretende é uma visão integrada de tudo isto“, aponta.

“A proteção social das pessoas e das empresas é muito importante. Tem de haver um pacto com o Estado para capitalizar as empresas. É importante ajudar a capitalizar as empresas que têm futuro para não deixar que entrem em coma”, defende.

Sublinha, no entanto, que o trabalho está ainda em fase preliminar, que vai ser necessário “definir prioridades e ver qual a margem financeira que há”, bem como encontrar uma estratégia de prestação de contas que permita “evitar que se cometam os mesmos erros que no passado”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Substituir Siza Vieira? “Não tem fundamento. O meu trabalho é de mero cidadão”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião