Associação acusa Governo de estigmatizar trabalhadores temporários

  • Lusa
  • 31 Maio 2020

Em declarações à agência Lusa, o responsável criticou as palavras de António Costa, após o Conselho de Ministros, em que ficaram definidas as medidas para a próxima fase de desconfinamento.

A Associação Portuguesa de Empresas do Setor Privado de Emprego e de Recursos Humanos (APESPE-RH) acusou este domingo o primeiro-ministro de estigmatizar os trabalhadores temporários ao anunciar que vai reforçar as medidas de vigilância epidemiológica nas empresas de trabalho temporário.

Esta é uma questão de saúde pública e a associação colabora com todas as entidades governamentais. A questão que nos preocupa é que o setor do trabalho temporário é um setor que tem vindo a ser discriminado ao longo dos tempos (…). E quando estamos numa fase colaborativa e ouvimos o senhor primeiro-ministro dizer que o foco são os trabalhadores temporários, é grave. O vínculo contratual é o menos importante no meio disto tudo”, disse o presidente da APESPE-RH, Afonso Carvalho.

Em declarações à agência Lusa, o responsável criticou as palavras de António Costa que na sexta-feira, no final da reunião de Conselho de Ministros, em que ficaram definidas as medidas para a próxima fase de desconfinamento, que arranca na segunda-feira, disse que o Governo vai reforçar as medidas de vigilância epidemiológica no setor da construção e nas empresas de trabalho temporário para controlar focos de infeção pelo novo coronavírus.

António Costa comentava o foco de contágio detetado na Azambuja, tendo dito: “Não tem a ver com os residentes na Azambuja, tem sobretudo a ver com um conjunto de trabalhadores que trabalham naquela plataforma logística através de empresas de trabalho temporário”.

Esta palavras desagradaram à APESPE-RH, associação que conta com cerca de 40 associadas o que corresponde a cerca 90.000 trabalhadores, 80% dos quais do mercado nacional.

Afonso Carvalho contou que a associação está a colaborar com o Ministério do Trabalho e da Segurança Social e comunicou, por sua iniciativa, casos suspeitos de infeção, aproveitando para criticar as medidas implementadas para o setor.

Este setor, apesar de ser um setor que está altamente regulamentado na lei, só no início da pandemia teve um decréscimo de atividade de cerca de 50% e nem por isso foi contemplado em questões de lay-off simplificado, algo que também nos desagradou bastante. E quando estamos numa fase colaborativa e ouvimos o senhor primeiro-ministro dizer que o foco são os trabalhadores temporários, é grave. O vínculo contratual é o menos importante no meio disto tudo”, disse o dirigente associativo.

Segundo o presidente, a APESPE-RH comunicou já oito casos suspeitos que “foram imediatamente tratados” e “cada empresa associada tem posto em prática planos de prevenção em colaboração com as empresas clientes ou utilizadoras”.

E estamos a testar preventivamente. Arrisco dizer que a taxa de infetados será muito reduzida (…). Não queremos que exista um estigma crescente em relação a esta população. Queremos que a opinião pública seja esclarecida. A questão é imaterial”, frisou.

Já em comunicado, a APESPE-RH diz-se “desrespeitada, ofendida e até, insultada”, pedindo que “em nome da verdade e do rigor” António Costa “ou quem por ele devidamente mandatado” fizesse um esclarecimento.

“Desta forma, muito nos agradaria que, em nome da verdade e do rigor, o senhor primeiro-ministro ou quem por ele devidamente mandatado, viesse retificar as declarações em causa, repondo o rigor das mesmas, em nome da verdade, transparência e clareza que sempre se exigem a um Governo, e, ainda mais, num momento com a gravidade e impacto como aquele que atualmente vivemos”, termina a nota da APESPE-RH.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Associação acusa Governo de estigmatizar trabalhadores temporários

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião