Prémio Fidelidade Comunidade distingue 17 instituições com total de 500 mil euros

  • ECO Seguros
  • 1 Junho 2020

A iniciativa distinguiu instituições sociais privadas sem fins lucrativos, dedicadas à inclusão social de pessoas com deficiência ou incapacidade, prevenção em saúde e envelhecimento.

 

Inserido na estratégia de sustentabilidade e negócio da Companhia, o Prémio Fidelidade Comunidade designa a forma como a empresa estrutura a sua resposta às problemáticas da sociedade, e materializa o seu compromisso com o desenvolvimento sustentável da comunidade, através do fortalecimento do setor social privado.

A terceira edição do Prémio Fidelidade Comunidade recebeu 321 candidaturas, de todo o país, com 74% das entidades a proporem projetos de iniciativas para os beneficiários e 26% com propostas para o seu Desenvolvimento. Em termos de eixos de intervenção, 40% das candidaturas focam-se na Inclusão social de pessoas com deficiência ou Incapacidade, 40% no Envelhecimento e 20% na Prevenção em saúde.

No que respeita às entidades candidatas a esta edição, a maioria são IPSS (55%) e Associações (22%) com experiência consolidada na área da responsabilidade social, dado que: 44% têm entre 21 e 50 anos, detalha o comunicado da seguradora.

Numa análise detalhada a uma amostra de 50 entidades, os apoios mais solicitados no âmbito da candidatura ao Prémio Fidelidade Comunidade são para a contratação de Recursos Humanos, seguidos da criação de Serviços de Apoio Domiciliário, a aquisição de viaturas e ainda a adoção de ferramentas tecnológicas.

As entidades vencedoras da terceira edição do Prémio Fidelidade Comunidade são:

INCLUSÃO SOCIAL DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA OU INCAPACIDADE

-Associação KOKUA – CÃES DE AJUDA SOCIAL (Tavira – Faro)
-BIPP- Inclusão Para a Deficiência (Cascais -Lisboa)
-Centro Social de Soutelo (Gondomar -Porto)
-R. INSERIR – "Oficinas Para Todos e Para Cada Um" (Santarém)
-SPEM – Sociedade Portuguesa De Esclerose Múltipla (Lisboa)

ENVELHECIMENTO

-Associação Alzheimer Açores – ALZA (Ponta delgada – Açores)
-Associação de Solidariedade Social de Ponte De Sor (Ponte de Sor – Portalegre)
– AZIMUTE – Associação de Desportos de Aventura, Juventude e Ambiente (Bragança)
– ATLAS – Associação de Cooperação para o Desenvolvimento (Coimbra)
– Centro de dia de São Silvestre de Escalos de Baixo (Castelo Branco)
-Centro Social Paroquial de São Simão de Litém (Pombal – Leiria)
-CERCESPINHO – Cooperativa de Educação e Reabilitação do Cidadão Inadaptado,CRL (Espinho – Aveiro)

-Comissão de Melhoramentos do Concelho de Sousel (Portalegre)
-Santa Casa da Misericórdia de Alcáçovas (SCMA) (Viana do Alentejo – Évora)
-Santa Casa da Misericórdia de Mogadouro (Bragança)

PREVENÇÃO EM SAÚDE

-Associação das Aldeias de Crianças SOS de Portugal (Cascais – Lisboa
-CRIF – Centro de Reabilitação e Integração de Fátima (Fátima – Leiria)

Sobre o Prémio Fidelidade Comunidade, Jorge Magalhães Correia, presidente do grupo de seguros, afirma: “Estamos agradavelmente surpreendidos pelo trabalho e resiliência das organizações sociais e pela sua capacidade de inovação. Vamos continuar a acompanhar de perto o desenvolvimento organizacional destas entidades, tirando partido das competências do Grupo Fidelidade”.

Nesta edição, prossegue Magalhães Correia, “dado o panorama que o país enfrenta em termos de saúde pública, tão preocupante para todos e especialmente para as organizações que apoiam as populações Vulneráveis, a Fidelidade pretende construir as bases de uma Comunidade Fidelidade, acompanhando de perto as organizações vencedoras e respondendo às suas necessidades, com o envolvimento das empresas do Grupo, Fornecedores, Clientes e Parceiros de Negócio. Os Colaboradores fazem parte desta comunidade e estarão também disponíveis para, caso a caso, apoiar estas instituições com voluntariado.”

A Fidelidade convidou ainda os seus colaboradores e parceiros de negócio a atribuir, entre os vencedores, dois Prémios Especiais no valor total de seis mil euros. Nesta edição, o Prémio Especial Colaboradores e o Prémio Especial Parceiros de Negócio distinguiram ambos a mesma instituição – Associação das Aldeias de Crianças SOS de Portugal.

O Prémio Fidelidade Comunidade integra um júri independente, com personalidades que refletem diferentes visões e experiências e têm grande conhecimento da realidade social portuguesa e sensibilidade para os assuntos relacionados com a sustentabilidade e responsabilidade social das empresas, constituído por: Maria de Belém Roseira, ex- Ministra da Saúde e da Igualdade; Madalena Santos Ferreira, jurista; Isabel Capeloa Gil, Reitora da Universidade Católica Portuguesa; Filipe Almeida, Presidente da Estrutura de Missão Portugal Inovação Social; e Jorge Magalhães Correia, Presidente do Conselho de Administração da Fidelidade.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Prémio Fidelidade Comunidade distingue 17 instituições com total de 500 mil euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião