Mau tempo destrói vinhas no Fundão; produtores contam com seguros de colheita

  • Lusa e ECO Seguros
  • 2 Junho 2020

Granizo e ventos fortes causaram muitos prejuízos em vinhas da Beira Interior. Produtores esperam que os seguros de colheita ajudem a minimizar danos.

A Comissão Vitivinícola Regional da Beira Interior (CVRBI) revelou que o mau tempo do fim de semana causou “muitos prejuízos” em vinhas da região, mas sublinhou que “ainda é cedo” para avaliar as consequências para a produção.

O presidente da CVRBI, Rodolfo Queirós, disse à agência Lusa que “os principais focos de preocupação” estão no Fundão, junto à Serra da Gardunha, onde houve “muitos prejuízos” causados pelo granizo, e também na zona da Covilhã.

No concelho de Belmonte, segundo o responsável, “ventos muito fortes” causaram também “muitos prejuízos” em algumas produções de vinha. Na zona mais a norte da área da CVRBI, no distrito da Guarda, nomeadamente em Pinhel, Figueira de Castelo Rodrigo e Vila Franca das Naves (Trancoso), há alguns estragos de granizo, mas “mais localizados”, disse.

Rodolfo Queirós adiantou que existem também alguns relatos que dão conta de danos, por granizo, em zonas próximas da vila de Almeida e em áreas situadas entre Vila Franca das Naves e Mêda.

Devido ao mau tempo, o responsável admite que alguns produtores possam ter “prejuízos avultados”.

As previsões da CVRBI para este ano apontavam para uma produção “mais ou menos semelhante à do ano anterior, ou seja, um ano absolutamente normal”, mas, devido à intempérie, vaticina que alguns produtores das zonas de Belmonte, Fundão e Covilhã possam “ter comprometido alguma parte da sua produção” de vinho.

Maioria dos associados da Cooperativa do Fundão têm seguros de colheita

Rodolfo Queirós adverte, no entanto, que “ainda é cedo” para conclusões: “Os técnicos ainda andam no terreno, são áreas ainda grandes para se conseguirem avaliar os prejuízos e não sabemos até que ponto isso possa afetar o ano vitivinícola nessas zonas”.

O responsável lembrou ainda que “grande parte” dos associados da Adega Cooperativa do Fundão têm seguros de colheitas que poderão cobrir alguns prejuízos e outros produtores particulares “também têm seguros de colheita associados que poderão minimizar os prejuízos em termos de produção”.

“Naturalmente que, quando ocorre um sinistro destes, este tipo de seguro é importante, porque ajuda a minimizar os estragos mas, em algumas circunstâncias compromete o ano presente e até um bocadinho do próximo ano”, alertou.

Os associados das áreas mais afetadas pelo mau tempo estão preocupados com a situação e estarão a “tentar pedir algum tipo de apoio que possa minimizar esses estragos”, referiu.

A CVRBI, que tem sede na cidade da Guarda, abrange as zonas vitivinícolas de Castelo Rodrigo, Pinhel e Cova da Beira, nos distritos de Guarda e de Castelo Branco, onde possui mais de 60 associados, sendo quatro adegas cooperativas.

Na área abrangida pela CVRBI existem cerca de 16 mil hectares de vinhas e uma grande variedade de castas, destacando-se as brancas Síria, Arinto e Fonte Cal e as tintas Tinta Roriz, Rufete, Touriga Nacional, Trincadeira e Jaen.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Mau tempo destrói vinhas no Fundão; produtores contam com seguros de colheita

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião