Turismo? Britânicos viajam sem seguro. Chipre cobre risco covid-19 para todos visitantes

  • ECO Seguros
  • 2 Junho 2020

Enquanto a maioria dos turistas britânicos está decidida a encetar viagens de férias sem seguro, o Chipre anunciou que cobre os custos de improvável contágio por covid-19 na ilha.

Um estudo revela que 75% dos britânicos que planearam viagens de férias prefere fazê-lo sem um seguro, a menos que as apólices cubram cancelamento e suspensão de ligações de transporte por causa da COVID-19.

Tommy Lloyd, responsável da Medical Travel Compared (MTC), um site especializado na comparação de tarifas de seguros de viagens, cobertura médicas e grupos etários, explica que o resultado do estudo pode significar que muitos turistas britânicos correrão o risco de viajar sem seguro à medida que as restrições para fazerem férias no estrangeiro vão sendo levantadas.

Entre mais de 40 distribuidores de seguros de viagem com quem a plataforma MTC opera, apenas nove estão atualmente ativos no site já os que os restantes retiraram as ofertas de produtos ou excluíram a cobertura de assistência médica para doentes infetados por covid-19. Mesmo entre as ofertas que ainda incluem assistência médica para o novo coronavírus, nenhuma fornece cobertura para cancelamentos ou suspensão de transporte resultante de medidas no quadro da pandemia.

“Não nos surpreende que 75% dos britânicos recuse contratar um seguro de viagem se os cancelamentos devidos a covid-19 não estiverem cobertos e que um terço afirme que, no futuro, está interessado em obter cobertura específica para a doença”, afirma Tommy Lloyd, citado no Travel Mole.

O inquérito conduzido pela MTC junto de 3 mil consumidores concluiu ainda que, por causa da covid-19, 10% dos inquiridos perdeu parte ou tudo do que contava gastar nas férias.

Lloyd notou ainda que um terço da população britânica apresenta uma qualquer condição clínica preexistente e, por isso, precisa de um seguro extra para viajar com maior tranquilidade. A MTC tem apelado aos fornecedores de seguros para que apresentem soluções de cobertura satisfatórias para os turistas, observou o especialista.

Chipre dá boas-vindas aos visitantes e assume que cobre o risco

O Chipre é um destino do Mediterrâneo cuja economia tem forte dependência das receitas da atividade turística (cerca de 13% do PIB), sendo também um dos países europeus com taxa mais baixa de infeções por coronavírus.

De acordo com as autoridades cipriotas, depois dos primeiros casos da doença em março, o país manteve taxa de contágio baixa, testou 10% da população e, face a resultados epidemiológicos que a maioria dos parceiros da UE não pode exibir, iniciou o levantamento de restrições sanitárias na primeira semana de maio, reabriu o setor hoteleiro no dia 1 de junho e a 9 deste mês retomará as ligações aéreas internacionais.

Em carta distribuída às embaixadas acreditadas em Nicósia, companhias áreas, operadores turísticos e agências de viagens, o Governo cipriota assegura que assumirá os gastos com turistas que, durante a sua estadia no país, obtenham diagnóstico positivo nos testes de despistagem local ao novo coronavírus (covid-19).

A única condição para ser elegível nesta cobertura é que, em cumprimento de restrição transitória e que ainda vigora, os turistas entrem no país com um teste a covid-19 efetuado no destino emissor, pelo menos, até 72 horas antes de chegar ao Chipre. Porém, a partir de 20 junho de junho, esta última restrição também será levantada para turistas provenientes de alguns destinos, promete o despacho conjunto de 3 ministérios (Negócios Estrangeiros, Transportes e Turismo) anunciando a reabertura do tráfego aéreo internacional no próximo dia 9.

Neste sentido, caso um turista tenha a infelicidade de testar positivo durante a estadia (de gozo de férias ou negócios) no país, o governo cipriota cobrirá as despesas de alojamento, medicamentos, alimentação e bebidas aos doentes (de covid-19) e familiares.

Além da hospitalização dos turistas doentes, as autoridades cipriotas comprometem-se acomodar todos os familiares e dependentes em hotéis reservados para permanência em quarentena, assegurou Savvas Perdios, ministro-adjunto do Turismo, citado pelas agências de notícias internacionais.

A única despesa excluída do programa cipriota em defesa da sua indústria de Turismo são as viagens de repatriamento e respetiva deslocação de volta para aeroporto.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Turismo? Britânicos viajam sem seguro. Chipre cobre risco covid-19 para todos visitantes

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião