Conheça 10 praias na Europa “livres” de Covid-19

A seleção do European Best Destinations inclui praias paradisíacas da Grécia, Lituânia, Letónia, Alemanha, Polónia, Malta e, claro está, de Portugal.

“Esteve fechado em casa durante meses e o que precisa mesmo agora é de espaço, ar puro, sol, e acima de tudo um lugar seguro para si e para a sua família”. O cenário descrito pelo site de viagens European Best Destinations, desenvolvido em parceria com as agência de turismo de vários países europeus e pela plataforma EDEN Network da Comissão Europeia, encaixa na perfeição na realidade da maioria das famílias portuguesas, e não só.

O tempo de férias está mesmo quase a chegar, mas este ano o destino tem de ser escolhido de acordo com novos critérios: zonas balneares com baixo número de pessoas infetadas com Covid-19 até agora, tamanho das praias e o número de metros quadrados disponíveis para cada pessoa nos areais.

Em Portugal a Agência portuguesa do Ambiente já fez as contas e decidiu que nas praias portuguesas há lugar para 830 mil veraneantes, cada um espaço pessoal de 8 metros quadrados, além da distância de 1,5 metros entre toalhas e de três mestros entre chapéus-de-sol.

Outros critérios importantes usados pela European Best Destinations para escolher as 10 praias mais seguras para o verão de 2020 na Europa — spoiler alert: três delas são portuguesas — passam pela oferta de alojamentos que permitam maior distanciamento: como vivendas com piscina privativa, apartamentos ou hotéis de pequena/média dimensão, que cumpram todas as normas de higiene e desinfeção. Por cá, as unidades hoteleiras podem já candidatar-se ao selo “Safe&Clean” do Turismo de Portugal.

O site olhou ainda para a proximidade das praias face a hospitais que nunca estiveram mais sobrecarregados durante o pico da pandemia na Europa e/ou que tenham um número médio de camas/pessoa acima da média europeia.

A seleção inclui praias paradisíacas da Grécia, Lituânia, Letónia, Alemanha, Polónia, Malta e, claro está, de Portugal. “Estas praias, algumas delas com mais de 100km de comprimento, são perfeitas para uma férias seguras — mesmo no pico do verão — e manter o distanciamento social não será um problema”, garante o European Best Destinations.

1. Preveza, Grécia

É um dos países menos afetados pelo novo coronavírus: até 50 vezes menos do que qualquer outro país europeu. A Grécia já tomou medidas para o regresso dos turistas e nas praias do país é exigida uma distância de quatro metros entre cada chapéu-de-sol. A praia de Monolithi, o maior areal de Preveza, tem 22Km de comprimento e 80 metros de largura, o que resulta em mais de 1,5 milhões de metros quadrados. Está próxima de três hospitais e a 10 minutos do aeroporto. Não é exigida quarentena e os hotéis vão reabrir a 1 de julho.

2. Comporta, Alentejo – Portugal

É uma das regiões menos afetadas de Portugal e da Europa: no Alentejo foram registados 600 vezes menos casos do que em qualquer outro sítio do continente europeu. Famosa pela tranquilidade e por ser uma das eleitas da cantora norte-americana Madonna quando vivia em Portugal, a praia da Comporta integra uma das maiores extensões de areia da Europa, já que de Troia a Sines são cerca de 65 km de praias. O European Best Destinations sublinha a implementação do selo “Safe and Clean” em Portugal. Aqui também não há quarentena e a maioria dos alojamentos tem reabertura marcada para 15 de junho.

3. Península de Hel, Polónia

Tal como a Grécia e Portugal, a Polónia é um doa países europeus menos afetados pela pandemia de Covid-19, com 20 vezes menos casos que a maioria dos países da Europa Ocidental. Os hospitais nunca estiveram sobrelotados e o país tem mais camas por habitante do que a Holanda e a Suíça, por exemplo. A partir da cidade de Gdansk, é possível chegar à península de Hel de carro. Lá encontra-se uma longa faixa de areia com 35km de comprimento e 3km de largura. O European Best Destinations recomenda conhecer a região de bicicleta, o que além de ser saudável protege o ambiente. Os voos internacionais para Gdansk recomeçam a 1 de julho e não é exigida quarentena no destino.

4. Porto Santo, Madeira – Portugal

“Portugal é considerado como um dos destinos mais seguros para este verão, com destaque para os Açores, Alentejo, Algarve e Madeira”, diz o site de viagens, sítios perfeitos para um desconfinamento perto da natureza. A ilha de Porto Santo tem 5.500 habitantes e 9km de areias douradas entre a Ponta da Calheta e a Zona Balner do Penedo. A região autónoma da Madeira deverá reabrir para turistas a 1 de julho.

5. Halikounas, Corfu – Greece

Esta é uma das ilhas mais verdes de toda a Grécia. À chega ao aeroporto de Corfu é medida a temperatura aos visitantes, sem obrigatoriedade de cumprir quarentena. Ao fim de uma viagem de carro de 40 minutos é possível chegar à praia de Halikounas, uma das maiores e mais espaçosas da ilha. Os voos internacionais retomam a 1 de julho.

6. Ghajn Tuffieha – Malta

Neste pequeno país europeu, que tem mais camas nos hospitais do que a Finlância, a Irlanda ou o Reino Unido, foram registados 55 menos casos de coronavírus do que no resto da Europa. Ali a presença da epidemia foi limitada. É na zona da baía da Riviera que fica a praia Ghajn Tuffieha, banhada pelas águas turquesas do Mediterrâneo. Se quer mesmo distanciamento social, o site de viagens recomenda uma estadia em Gozo, uma ilha ainda mais pequena que Malta, perfeita para estar em contacto com a natureza, andar a pé ou de bicicleta e fazer mergulho. A previsão é de que os hotéis reabram em junho e a época balnear comece a 1 de julho.

7. Meia Praia, Lagos – Algarve, Portugal

Chama-se Meia Praia mas é uma das maiores de todo o Algarve. De acordo com a Agência Portuguesa do Ambiente pode levar até 11.500 pessoas de uma só vez nos seus cerca de 5km de areia dourada. Na região há ainda outras praias de igual beleza, mas mais pequena. É também no Algarve que fica a praia mais pequena do país — a da Marinha, em Lagoa –, que leva apenas 15 pessoas na maté alta. Portugal já está pronto para receber turistas na época balnear, que começou já este sábado, 6 de junho, sem direito a quarentena para quem vem de fora do país.

8. Jurmala – Letónia

Com 33 km de areia fina e dourada, este é um dos destinos com o selo “EDEN” da Comissão Europeia. Este galardão é atribuído aos melhores destinos sustentáveis da Europa, sendo que a EDEN Network inclui mais de 90 locais turísticos que se distinguem pela sua sustentabilidade. Além desta razão de peso, saiba que Letónia foi 60 vezes menos afetada pelo coronavírus do que os restantes países europeus. Chegando à capital, Riga, Jurmala fica a uma distância de 40 a 50 minutos de carro ou comboio. A reabertura será a 1 de julho, com a maioria dos hotéis e restaurantes a voltar à sua atividade.

9. Nida – Lituânia

De acordo com o European Best Destinations, neste local paradisíaco e quase isolado da civilização humana, 100 km de areia aguardam os turistas. Nida situa-se a uma hora de carro de Klaipéda, que por sua vez está a quatro horas da capital, Vilnius. Mar, dunas e floresta completam o cenário perfeito, muito conhecido dos veraneantes lituanos e alemães e situado no istmo de Curlandia. Esta porção de terra estreita cercada por água em dois lados e que conecta duas grandes extensões de terra tem mais de 100km de comprimento e tem como ex-libris a duna de Parnidis, a segunda maior da Europa, a seguir à de Pyla, em França. A Lituânia apresentou 40 vezes menos casos de Covid-19 do que os países mais afetados da Europa e a época balnear deverá arrancar a 1 de julho.

10. Binz Beach – Alemanha

Praia na Alemanha? A resposta é sim. Esta fica numa ilha e tem mais de 5km e é uma das maiores e mais belas do país. A Alemanha foi afetada pelo coronavírus e registou apenas 10 vezes menos casos que as zonas mais atingidas, no entanto, a região de Mecklenburg-Oeste Pomerânia foi muito preservada. A ilha de Rügen é um destino de eleição para estar em contacto com a natureza e os seus resorts balneares mais conhecidos são Binz, Sellin e Göhren. A Alemanha abrirá as suas fronteiras a 15 de junho, mas a época balnear com voos internacionais só começa a 1 de julho, em quarentena.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Conheça 10 praias na Europa “livres” de Covid-19

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião