O rebranding da Polopiqué, o “TGV da indústria têxtil nacional”

A nova identidade e o conceito “Creative Texagility” foram criados pela Ivity Brand Corp., para o grupo têxtil português que produz para todo o mundo.

O rebranding da Polopiqué surge talvez quando menos se esperava, numa altura em que a indústria portuguesa — têxtil e não só –, é confrontada com os desafios de uma economia mundial que afundou nos últimos meses, resultado da pandemia. A mudança simboliza “a capacidade de antecipar e prever hoje a moda do amanhã, é o que nos distingue“, afirma Luís Guimarães, CEO da empresa. E vem, talvez por isso, com uma “missão acrescida de ser exemplo para outras empresas que ainda não têm marca, de dizer que esta é a altura para se criarem marcas, para afirmarmos as marcas de Portugal no mundo” explica, “com orgulho no projeto”, Carlos Coelho, presidente da Ivity Brand Corp..

Para Luís Guimarães, a mudança simboliza “a capacidade de antecipar. Hoje estamos aqui, amanhã podemos estar em qualquer lugar. Despertos. Acordados. E sempre orgulhosos de Portugal” explica o CEO de um dos maiores grupos têxteis nacionais e dos poucos verticais no mundo, com produção desde a fibra à peça acabada. Um grupo que fatura 110 milhões de euros e dá emprego a cerca de mil pessoas, que considera da família.

A nova imagem e identidade corporativa “Polopiqué – Creative Texagility”, reflete a aposta crescente do grupo na inovação, design, tecnologia e a diversificação no negócio que tem vindo a fazer. Transporta também a ambição de rejuvenescer e reforçar a qualidade e versatilidade com que dá resposta a todo o tipo de desafios têxteis.

É isto que a Polopiqué é. Somos criatividade, agilidade e velocidade.

Luís Guimarães

Com a nova identidade vem também o objetivo do grupo de comunicar mais, estar mais presente e próximo das suas pessoas, dos clientes, dos parceiros e mercados. “Somos uma indústria de possibilidades onde todos os dias se planta, se desenha, fia, tece e produz a moda do amanhã. Entre mãos e soluções tecnológicas mais avançadas…” começa por se ouvir no filme que acompanha a nova fase da marca.

A Polopiqué, em termos de marca, era um gigante adormecido, é uma das maiores e mais sofisticadas têxteis portuguesas e do mundo.

Carlos Coelho

De Portugal para o mundo

Um “gigante adormecido” que agora mostra a suaCreative Texagility”, ou seja, “a capacidade criativa de se adaptar, de responder, de ser rápida e flexível, e por isso, trabalha com algumas das mais exigentes companhias de moda do mundo” diz Carlos Coelho, como é o caso da Inditex.

Fundada em 1996 para confecionar e comercializar artigos de vestuário, numa família com muitas gerações de tradição e sabedoria têxtil, afirma-se como uma das poucas empresas têxteis completas, controlando a produção desde a fiação, tecelagem/tricotagem e ultimação até à confeção. É a isto que chama Texagility.

Carlos Coelho chama-lhe o “TGV da indústria têxtil nacional, de alta tecnologia e com uma capacidade de criar e executar absolutamente extraordinário”. E a marca que agora é apresentada ao mercado, “significa os polos de ligação, além de ser o monograma modernizado da palavra Polopiqué, é sobretudo uma marca de ligação, uma marca flexível, que se desenvolve numa obliqua e que se expande graficamente, tal como as teias dos tecidos o fazem, e numa perspetiva não linear, de uma empresa onde tudo acontece num dia, onde se injeta velocidade, criatividade, ambição, e há um imenso respeito pelas pessoas, pela sociedade onde se insere, e paixão e com um grande coração em Portugal,” acrescenta o responsável pela nova imagem. Uma marca que mostra a fibra com que chega ao mundo.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

O rebranding da Polopiqué, o “TGV da indústria têxtil nacional”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião