Imobiliárias vão ajudar Câmara de Lisboa a impulsionar Renda Segura. Haverá comissões por cada contrato assinado

As empresas e promotores imobiliários podem inscrever-se para intermediarem contratos de arrendamento para o Renda Segura. Em troca, receberão uma comissão equivalente a um mês de renda.

A Câmara de Lisboa (CML) uniu-se às imobiliárias para dar mais impulso ao Programa Renda Segura. A ideia é que os consultores promovam e divulgam a iniciativa, de forma a encontrar proprietários interessados em arrendar os imóveis de alojamento local à autarquia, que depois os vai subarrendar a preços mais acessíveis. Em troca, o município vai pagar uma comissão, equivalente a uma renda, por cada contrato de arrendamento celebrado.

A parceria entre a CML e a Associação dos Profissionais e Empresas de Mediação Imobiliária de Portugal (APEMIP) foi anunciada esta terça-feira, numa conferência online entre as duas entidades. A ideia é que as imobiliárias, “através dos canais próprios”, “mediem e criem contratos de arrendamento”, explicou António Furtado, Diretor Municipal de Gestão Patrimonial da autarquia, durante o webinar.

Os consultores devem fazer a “promoção, divulgação e angariação de contratos para o Programa Renda Segura” e, em troca, “a CML disponibiliza-se a pagar uma renda por cada contrato angariado e celebrado”, continuou. O valor total que a CML terá disponível para essas comissões irá depender do número de contratos assinados. O pagamento dessa renda (comissão) será feito ao proprietários, “na condição de que esse dinheiro tem de ser imediatamente entregue ao consultor”. E isso ficará documentado no contrato de arrendamento.

Assim, os consultores imobiliários — que devem pertencer a “empresas devidamente licenciadas”, como explicou o presidente da APEMIP –, podem inscrever-se no site do Renda Segura. Uma vez inscritos, podem registar os imóveis que pretenderem. “Se a partir desse momento o particular quiser registar o imóvel, ele já estará registado pelo mediador e isso não será possível”, explicou António Furtado.

Para o presidente da APEMIP, “este protocolo é muito importante”. “Sempre dissemos que íamos fazer parte da solução, e não do problema. E através de mediadores pode chegar-se a 80% dos proprietários com ativos na cidade de Lisboa“, continuou Luís Lima, durante o webinar.

CML só garante benefícios fiscais a contratos assinados até dezembro

Os proprietários de alojamento local que aceitem inscrever esses imóveis no Renda Segura terão vários benefícios fiscais, incluindo isenção de IRS/IRC e de IMI. Além disso, ficarão também isentos da tributação de mais-valias no caso de transitar de alojamento local para arrendamento tradicional. Contudo, estas isenções foram negociadas com o Estado e a autarquia só as garante até ao final do ano.

“Negociámos com o Estado um pacote de benefícios fiscais. E a todos os contratos celebrados até ao final do ano está garantida esta isenção fiscal“, disse o presidente da CML, Fernando Medina, também presente no webinar. António Furtado, Diretor Municipal de Gestão Patrimonial da autarquia, disse ainda que a CML “não garante que o programa prossiga para 2021 e mesmo que prossiga, não garante a manutenção dos benefícios”.

Outra das particularidades do Renda Segura, esclareceu o presidente da CML, é que “quem entrar neste programa e [o alojamento local] estiver numa zona de contenção, perde a licença de funcionamento do alojamento local”. Além disso, os proprietários podem inscrever os seus imóveis no Renda Segura, mas estes não precisam de ficar imediatamente disponíveis.

Fernando Medina disse ainda que os custos do Renda Segura são “perfeitamente aceitáveis”. “O orçamento de Lisboa tem um custo de 1.500 milhões de euros e o custo estimado deste programa é de 4,5 milhões de euros por ano”, disse o autarca. Até ao momento, já foram recebidas cerca de 10.000 candidaturas, anunciou o autarca.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Imobiliárias vão ajudar Câmara de Lisboa a impulsionar Renda Segura. Haverá comissões por cada contrato assinado

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião