Itália reabre teatros, salas de espetáculos e cinemas na segunda-feira

  • Lusa
  • 14 Junho 2020

Inicia-se, esta segunda-feira, em Itália a terceira fase de desconfinamento. As discotecas, salões de baile e feiras comerciais continuam fechadas.

Itália reabre na segunda-feira os teatros, salas de espetáculos e cinemas, iniciando a terceira fase de desconfinamento da pandemia de Covid-19, enquanto mantém sob vigilância os números de novos contágios que continuam acima de 300 por dia.

O setor do lazer, a par do turismo, foi um dos mais afetados pelo confinamento obrigatório imposto desde 09 de março e é o único que se mantém encerrado, preparando-se para iniciar a ‘nova normalidade’ recheada de medidas de segurança, impossíveis de cumprir por muitos empresários que poderão optar por manter as portas fechadas.

Os cinemas reabrem com um limite de 200 pessoas nos grandes complexos de várias salas, enquanto os espetáculos ao ar livre têm um limite de 1.000 espetadores e em ambos é obrigatório manter a distância social entre pessoas de diferentes famílias, apesar de ser permitido tirar a máscara quando estiverem sentados.

Por outro lado, as discotecas, salões de baile e feiras comerciais continuam sem poder abrir as portas pelo menos até 14 de julho, enquanto a abertura de casas de jogos de apostas e bingos ficará ao critério de cada região, segundo a sua situação epidemiológica.

A abertura dos balneários de instalações desportivas também será decidida a nível regional, mas a prática de desportos amadores de forma coletiva mantém-se proibida até 25 de julho em todo o país. Por sua vez, os parques infantis e colónias de férias de verão para crianças também abrem com as devidas medidas de segurança, distanciamento e higiene.

As procissões religiosas, muito frequentes em várias localidades italianas durante o verão, nas festas em honra dos santos, também serão permitidas, mas com o uso obrigatório de máscara e medidas de distanciamento e segurança.

Apesar de se preparar para iniciar a terceira fase de desconfinamento, os números oficiais da pandemia de Covid-19 em Itália mostram um ligeiro aumento nos últimos dias, tendo a última atualização, no sábado, contabilizado 55 mortos e 346 novos casos nas 24 horas anteriores. Dos novos casos, a maioria (210) situam-se na região da Lombardia (Norte) e no referido período foram realizados apenas 49.750 testes, cerca de 20.000 a menos que nos dias anteriores.

A pandemia de Covid-19 já provocou mais de 427 mil mortos e infetou mais de 7,7 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP. Em Portugal morreram 1.517 pessoas das 36.690 confirmadas como infetadas, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China. Depois de a Europa ter sucedido à China como centro da pandemia em fevereiro, o continente americano é agora o que tem mais casos confirmados e mais mortes.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Itália reabre teatros, salas de espetáculos e cinemas na segunda-feira

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião