IHRU vai ser menos tolerante nos pedidos de empréstimos. Chumbos vão aumentar

São muitos pedidos de empréstimos para as rendas para tão poucos trabalhadores. E, por isso, o IHRU vai começar a ser menos tolerante nos processos que não reúnam a documentação necessária.

O Instituto da Habitação e Reabilitação Urbana (IHRU) vai ser mais duro na aceitação dos empréstimos para as rendas, isto porque, explicou a presidente da entidade, o número de pedidos recebido tem sido bastante superior ao número de trabalhadores disponíveis para os analisar. Assim, os processos que não reúnam a documentação necessária passarão a ser mais facilmente chumbados e os requerentes terão de fazer um novo pedido.

No espaço de dois meses foram recebidos 1.896 pedidos de empréstimos para as rendas, anunciou esta terça-feira Isabel Dias, presidente do IHRU, durante uma audição na Comissão de Economia, Inovação, Obras Públicas e Habitação. Estes pedidos estão a ser analisados manualmente pelos funcionários do instituto, o que, disse a responsável, está a ser um trabalho moroso e difícil. E a verdade é que o Plano de Estabilização Económica e Social (PEES) já prevê mais 20 novos efetivos para o IHRU.

“As medidas que começámos a tomar passam por pôr um número limite aos pedidos”, começou por explicar Isabel Dias, referindo que muitos desses pedidos de empréstimos chegam ao IHRU incompletos, com documentos em falta.

E, se até aqui os funcionários ajudavam os requerentes a anexar a documentação necessária, com sucessivos contactos, a partir de agora isso deixará de acontecer. Ou seja, o IHRU irá contactar os requerentes apenas uma vez para que seja corrigida a documentação. Se depois deste contacto o processo regressar novamente incompleto, será chumbado.

Os processos que estão a demorar muito tempo com os funcionários a ligar e a enviar emails multiplicam a análise de 2.000 processos várias vezes, disse. “O número de indeferimentos vai subir, o que não significa que o número de pedidos não suba também. Vamos ter de limpar um pouco por aí para agilizar a análise”, continuou a responsável.

De acordo com os dados adiantados por Isabel Dias, até ao momento o IHRU concedeu 479 empréstimos e “rejeitou liminarmente por falta de elementos” 16 pedidos, alguns “porque não tinham sequer a identificação que permitisse chegar às pessoas”. O “IHRU faz tudo o que é possível para não indeferir processos”, explicou a responsável.

“Não houve indeferimento de processo nenhum por parte do IHRU em relação aos empréstimos”, salientou a presidente do instituto, explicando que “o que há é uma rejeição liminar”. Isabel Dias sublinhou que a “opção do IHRU foi apoiar as pessoas ao máximo para evitar os indeferimentos e rejeições liminares” e que “não há indeferimentos por decisão do IHRU sem analisar os requisitos de elegibilidade”.

(Notícia atualizada às 13h34 com mais informação)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

IHRU vai ser menos tolerante nos pedidos de empréstimos. Chumbos vão aumentar

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião