Lusitania faz associação mutualista perder 14,8 milhões

  • ECO Seguros
  • 16 Junho 2020

Em ano de bom desempenho segurador, a desvalorização da Montepio Seguros, que exigiu também um reforço de capital de 30 milhões de euros, contribuiu negativamente para as contas da mutualista.

Os prejuízos históricos da Associação Mutualista Montepio Geral deveram-se sobretudo à desvalorização do Banco Montepio (-377,5 milhões) e da Montepio Seguros (-14,8 milhões) no balanço da mutualista e que foi exigida pela auditora PwC, o que forçou a AMMG a reforçar as imparidades com as duas participadas em 392 milhões de euros.

O negócio segurador do AMMG está agregado na Montepio Seguros, em que a mutualista detém cerca de 89%. Esta sociedade controla a 100% a Lusitania Vida e a Lusitania Não Vida, ainda a Futuro – Sociedade Gestora de Fundos de Pensões, detendo ainda 21,87 da Moçambique Companhia de Seguros.

O relatório da AMMG refere que em relação à área seguradora foi realizado o reforço da posição na Moçambique Companhia de Seguros (+ 13 mil euros), na sequência do rateio de ações, proveniente do último aumento de capital realizado por aquela seguradora. Ainda refere que existiu um aumento das prestações acessórias no Montepio Seguros, no montante de 30 milhões de euros, para reforço da sua margem de solvência. Por último houve um reforço da imparidade registada para o Montepio Seguros no montante de 14,8 milhões de euros.

Atividade seguradora com operação positiva

A Lusitania Vida é a empresa que explora este ramo, comercializa seguros tradicionais, produtos de capitalização e Planos Poupança Reforma – PPR´s, complementando a oferta de seguros do grupo, com produtos de vidarisco e produtos de investimento no canal bancário e na rede de mediadores. Segundo a companhia, a Lusitania Vida atua de forma complementar às atividades mutualista e bancária, nas áreas das soluções de previdência e de poupança e, também, à atividade da Lusitania, Companhia de Seguros não vida, através da comercialização de soluções mistas – Vida e Não Vida.

No ano de 2019, a produção de seguro direto da Lusitania Vida registou um crescimento de 22,4%, consolidando a tendência já observada no ano anterior, atingindo o valor de 244,2 milhões de euros. Com esta evolução, a Lusitania Vida aumentou a sua quota de mercado, passando de 2,4%, em 2018, para 3,4%, no final do ano.

Os custos com sinistros, líquidos de resseguro, cifraram-se em 29,8 milhões de euros, uma variação de +0,7% relativamente ao valor de 2018. A Lusitania Vida obteve um resultado líquido do exercício de 4,6 milhões de euros, em 2019, valor ainda provisório, que compara com 5,2 milhões de euros, em 2018.

Lusitania Não Vida e a integração da N Seguros

Segundo o relatório da AMMG, a evolução desfavorável da situação financeira da N Seguros nos últimos anos, levou o Montepio Seguros, SGPS, na qualidade de acionista único da N Seguros, optar pela sua fusão, por incorporação dos ativos e passivos desta entidade, na Lusitania, Companhia de Seguros.

Segundo a mutualista, esta alteração na estrutura das operações detidas pelo Montepio Seguros permite a otimização dos fundos próprios ao nível das suas participações, para além de uma redução de custos, designadamente de estrutura, concentrando numa única entidade o desenvolvimento da atividade seguradora dos ramos Não Vida, bem como a obtenção de sinergias ao nível da integração contabilística.

Assim, a partir de 1 de janeiro de 2020, a Lusitania passou a ser uma companhia a operar com duas marcas, em segmentos distintos e com uma “capacidade reforçada em meios e pessoas”, afirma o relatório. A marca N Seguros irá manter-se devido “ao seu valor e ao potencial de negócio” e “a estratégia digital e a construção da jornada do cliente constituem vetores de desenvolvimento desta unidade de negócios e irão continuar a orientar a sua atividade”, acrescenta.

Em resultado do processo de fusão por integração da N Seguros na Lusitania, a produção combinada de seguro direto das duas empresas registou um crescimento de 3,8%, correspondendo a um volume de prémios de 223,6 milhões de euros.

A Lusitania, no final de 2019, após a fusão com a N Seguros, representava 4,4% do mercado segurador Não Vida.

Considerando a consolidação do montante de sinistros das duas empresas, os custos, no montante de 146,5 milhões de euros, reduziram 3,4%, correspondendo a 5,1 milhões de euros. A taxa de sinistralidade fixou-se em 66,6% (70,3% em 2018, em base comparável).

Da operação de reforço de fundos próprios de 30 milhões de euros de outros instrumentos de capital e do aumento da reserva de reavaliação, por ajustamentos no justo valor de ativos financeiros, os capitais próprios da Lusitania, no final de 2019, cifraram-se em 80,8 milhões de euros, incluindo o resultado, também provisório, de 176 mil euros.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Lusitania faz associação mutualista perder 14,8 milhões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião