Covid-19: Pequenos empresários reclamam 58 milhões à Hiscox UK

  • ECO Seguros
  • 17 Junho 2020

O conflito abrange perto de 350 apólices de seguro em que a filial britânica do grupo de seguros, sediado nas Bermudas, recusa indemnizar interrupção de negócios no contexto da pandemia.

O caso move o Hiscox Action Group (HAG), um coletivo integrando algumas centenas de pequenos e médios empresários tomadores de seguros, e está entregue a um escritório de advogados (Mishcon de Reya LLP). O litígio – que se arrasta, pelo menos, desde abril – envolve perto de 400 negócios.

A imprensa londrina cita uma exposição dos advogados dirigida à seguradora, na qual se reclamam indemnizações (não pagas pela seguradora) por sinistros de interrupção de negócios (BI Business Interruption) em resultado das restrições impostas pela pandemia.

Na carta dirigida à Hiscox Insurance, a sociedade Mishcon de Reya afirma a intenção de procurar obter 52 milhões de libras esterlinas (cerca de 58 milhões de euros) referentes a reclamações de interrupção de negócios não pagas, mais “custos adicionais” causados pelo atraso injustificado da Hiscox na regularização das queixas.

Na missiva, os advogados sugerem que seja aberto um processo de arbitragem para solução rápida do conflito que abrange cerca de 350 contratos de seguros. Os empresários que quiseram aderir à causa coletiva tiveram até 11 de junho para apresentarem o seu caso à Mishcon de Reya e assinar o acordo de adesão à batalha legal do HAG.

Simon Ager, responsável de um clube de escalada (Pinnacle Climbing Centre) e membro do HAG, citado num artigo do jornal The Telegraph, afirmou: “O nosso pedido de indemnização diz respeito tanto aos montantes originais segurados como aos custos adicionais incorridos devido ao facto de a Hiscox andar a arrastar. Isto faz com que seja muito provável que a eventual indemnização seja muito superior ao valor inicial de 52 milhões de libras”.

O encerramento de negócios em consequência da crise pandémica (covid-19) no Reino Unido desencadeou uma vaga de pedidos de indemnização de empresas junto das companhias de seguros, com casos semelhantes a replicarem-se em França e nos EUA.

A Hiscox e outras companhias já afirmaram que, à vista do clausulado, a maioria dos contratos de seguro não se aplica à situação de pandemia. No entanto, as seguradoras também já manifestaram disponibilidade para pagar rapidamente os pedidos de indemnização que, caso a caso, considerem válidos.

No quadro da polémica, a autoridade reguladora do setor (FCA – Financial Conduct Authority) já solicitou ajuda dos tribunais britânicos para obter clarificação sobre se a redação e interpretação das cláusulas de algumas apólices de seguro devem assegurar as coberturas reclamadas face à atual situação de pandemia.

Em comunicado divulgado no início de junho, a Hiscox – que na Grã-Bretanha opera através da Hiscox UK e da Hiscox London Market – saudou a iniciativa da entidade de supervisão e reiterou disponibilidade para se submeter, junto com outras seguradoras, aos testes legais de um exame de jurisprudência tendente à resolução do conflito ligado aos seguros de propriedade.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Covid-19: Pequenos empresários reclamam 58 milhões à Hiscox UK

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião