Ex-presidente da supervisão dos seguros da China sentenciado com 11 anos de prisão

  • ECO Seguros
  • 17 Junho 2020

Um tribunal de Changzhou, na província de Jiangsu, condenou Xiang Junbo, ex-presidente da Comissão Reguladora dos Seguros da China (CIRC), a 11 anos de cadeia por crime de corrupção.

O antigo dirigente foi considerado culpado por aceitação de vantagem patrimonial ilícita (subornos) enquanto titular de cargo público, de que foi exonerado em 2017, sendo então colocado sob investigação em abril desse ano, por suspeita de corrupção.

As acusações e audiências que corriam desde junho de 2018 sustentavam que Xiang Junbo ajudou de forma ilícita empresas e indivíduos na contratação de projetos, facilitação de processos, emissão de empréstimos, análise de qualificações e promoções profissionais, lista a imprensa local. Em troca dos favores, Junbo aceitou dinheiro ou presentes, diretamente ou através de interposto intermediário, por montante global superior a 19,3 milhões de yuans (cerca de 2,37 milhões de euros).

Além de condenado à pena de prisão, Xiang Junbo, de 63 anos, foi sentenciado com multa de 1,5 milhões de yuans (cerca de 187,5 mil euros) e perdeu todos os bens, confiscados pelas autoridades da República Popular. Durante o período em que terá recebido os subornos, Xiang também serviu como vice-governador do Banco Popular da China (banco central) e dirigiu o Banco Agrícola da China.

De acordo com a imprensa, enquanto esteve no ativo, Xiang promoveu reformas políticas que permitiriam às seguradoras investirem fundos por forma a aumentarem rentabilidade. Entre as medidas que protagonizou, apontam-se o aumento do limite máximo dos investimentos em ações para 40% dos ativos das seguradoras, mais do que é prática noutras jurisdições, onde o limiar oscila entre 10% e 20%.

Várias seguradoras apostaram nesse segmento de investimento, acumulando dívidas por perdas relacionadas com a exposição aos mercados acionistas. Por isso, por exemplo, a Anbang acabou controlada pelo Estado, redenominada como Dajia Insurance Group.

Mais recentemente, o CIRC foi objeto de fusão com a entidade reguladora da banca, operação de que emergiu como supervisor financeiro a atual Comissão Reguladora da Banca e dos Seguros da China (CBIRC).

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ex-presidente da supervisão dos seguros da China sentenciado com 11 anos de prisão

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião