Mediadores de seguros juntam-se para serem nº1 em Portugal

  • ECO Seguros
  • 22 Junho 2020

A Nobis lidera um grupo de distribuidores que comprou uma insurtech e vai lançar uma nova mediadora digital only. Grupo arranca com uma carteira de seguros anual de 25 milhões de euros.

David Pereira, Ceo da Nobis Seguros e atual presidente da Aprose, lidera um sindicato de Agentes e Corretores na formação do que pretende vir a ser o 1º “player” da distribuição de seguros em Portugal verdadeiramente digital, procurando competir com bancos e seguradoras na aquisição e manutenção direta de clientes.

David Pereira confirmou a ECOseguros que o projeto vai arrancar em setembro próximo, reservando detalhes para data posterior.

No entanto, ECOseguros apurou que vai ser realizado um investimento superior a 1 milhão de euros, tendo sido adquirida participação na insurtech portuguesa que explora a plataforma P4L PRO, atualmente especializada no ramo Vida, e que vai ser desenvolvida para todos os outros ramos.

O novo grupo tem como promotores três mediadoras de seguros tradicionais, sendo uma delas a Nobis de David Pereira, e uma digital, para além de um mediador de crédito. Estes fundadores vão deter 60% do capital de uma sociedade holding, ficando 20% reservado para outros mediadores que queiram participar e 20% para investidores diversos.

A holding, cuja designação ainda não é conhecida, terá uma participação de 100% em uma nova mediadora para a qual os fundadores vão transferir toda a sua carteira de seguros, estimada em 25 milhões de euros de prémios anuais. A holding vai ainda deter a totalidade do capital de uma sociedade de apoio digital e call center que fará a gestão comercial, de sinistros, de venda e cobrança da carteira atual dos fundadores, que conta com 40 mil clientes particulares e empresariais, bem como assegurar futuros novos negócios.

A sociedade de topo vai ainda deter 50% na empresa que desenvolve a plataforma P4L PRO, igual participação numa nova mediadora de crédito e também 50% numa empresa de fiscalidade e contabilidade.

Fonte ligada ao negócio afirma que o objetivo final do projeto é disponibilizar a ferramenta digital a todos os agentes e corretores de seguros. Ainda de acordo com a mesma fonte, esta plataforma quer centralizar todas as necessidades financeiras dos clientes, permitindo uma oferta diversificada na área das finanças pessoais com a implícita redução de custos.

A decisão deste grupo de mediadores, que os fará abdicar da gestão individual dos seus próprios negócios, é justificada pelas sinergias transversais que proporciona, conduzindo a poupanças significativas nos custos operacionais e libertando mais tempo para atenção aos clientes.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Mediadores de seguros juntam-se para serem nº1 em Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião