Supervisor britânico de seguros contrata CEO permanente

  • ECO Seguros
  • 22 Junho 2020

A chancelaria do Tesouro britânico anunciou a nomeação de Nikhil Rathi para um mandato de cinco anos como presidente executivo da FCA entidade de supervisão. Vai ganhar 503 mil euros por ano.

Nikhil Rathi, até agora diretor da Bolsa de Valores de Londres, sai da London Stock Exchange Plc (LSE) e, no próximo outono, assumirá as funções de CEO na FCA – Financial Conduct Authority-, onde irá auferir uma salário de 455.000 libras esterlinas (cerca de 503 mil euros por ano).

Rathi vai ocupar o posto deixado por Andrew Bailey, que renunciou ao cargo para assumir funções como governador do Banco de Inglaterra (BoE). Bailey saiu em março e a direção executiva da FCA foi entregue a Christopher Woolard, que exerce funções interinamente.

Citado na imprensa, o chefe de missão da FCA, Charles Randell, afirmou: “Saúdo calorosamente Nikhil. Aguardo com expectativa a oportunidade de trabalhar com ele”. Nikhil tem estado estreitamente envolvido na orientação do desenvolvimento da FCA, através da sua participação no Markets Practitioner Panel, “e traz, tanto as competências de gestão do setor privado como a experiência na elaboração de políticas reguladoras nacionais e internacionais”, salientou Randell.

Entre setembro de 2009 e abril de 2014, Rathi foi diretor dos serviços financeiros no Tesouro, onde se familiarizou com a gestão dos interesses da UE e outros dossiês financeiros internacionais do Reino Unido.

Nos últimos seis anos, Rathi ocupou o cargo de CEO da bolsa londrina, sendo ainda responsável pela área de desenvolvimento internacional do grupo LSEG (holding que detém a LSE).

Com a sua saída, as funções de CEO da LSE serão exercidas interinamente – mas com efeitos imediatos – por Denzil Jenkins, pessoa que acumula mais de 25 anos de experiência ao serviço do LSEG, anunciou por sua vez a bolsa londrina.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Supervisor britânico de seguros contrata CEO permanente

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião