Supervisor britânico de seguros contrata CEO permanente

  • ECO Seguros
  • 22 Junho 2020

A chancelaria do Tesouro britânico anunciou a nomeação de Nikhil Rathi para um mandato de cinco anos como presidente executivo da FCA entidade de supervisão. Vai ganhar 503 mil euros por ano.

Nikhil Rathi, até agora diretor da Bolsa de Valores de Londres, sai da London Stock Exchange Plc (LSE) e, no próximo outono, assumirá as funções de CEO na FCA – Financial Conduct Authority-, onde irá auferir uma salário de 455.000 libras esterlinas (cerca de 503 mil euros por ano).

Rathi vai ocupar o posto deixado por Andrew Bailey, que renunciou ao cargo para assumir funções como governador do Banco de Inglaterra (BoE). Bailey saiu em março e a direção executiva da FCA foi entregue a Christopher Woolard, que exerce funções interinamente.

Citado na imprensa, o chefe de missão da FCA, Charles Randell, afirmou: “Saúdo calorosamente Nikhil. Aguardo com expectativa a oportunidade de trabalhar com ele”. Nikhil tem estado estreitamente envolvido na orientação do desenvolvimento da FCA, através da sua participação no Markets Practitioner Panel, “e traz, tanto as competências de gestão do setor privado como a experiência na elaboração de políticas reguladoras nacionais e internacionais”, salientou Randell.

Entre setembro de 2009 e abril de 2014, Rathi foi diretor dos serviços financeiros no Tesouro, onde se familiarizou com a gestão dos interesses da UE e outros dossiês financeiros internacionais do Reino Unido.

Nos últimos seis anos, Rathi ocupou o cargo de CEO da bolsa londrina, sendo ainda responsável pela área de desenvolvimento internacional do grupo LSEG (holding que detém a LSE).

Com a sua saída, as funções de CEO da LSE serão exercidas interinamente – mas com efeitos imediatos – por Denzil Jenkins, pessoa que acumula mais de 25 anos de experiência ao serviço do LSEG, anunciou por sua vez a bolsa londrina.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Supervisor britânico de seguros contrata CEO permanente

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião