Isabel dos Santos rejeita fuga. Diz que família dos Santos não tem contas no EuroBic

Empresário angolana emitiu um comunicado onde, em 18 pontos, responde às notícias publicadas nos últimos dias sobre a apreensão de bens e contas bancárias "supostamente da Família dos Santos".

Isabel dos Santos reagiu às notícias publicadas nos últimos dias relacionadas com a apreensão de bens e contas bancárias ligadas ao seu nome e da família dos Santos. Num comunicado que se estende por 18 pontos, a empresária angolana rebate as acusações, considerando-as falsas e negando ainda estar em fuga.

“É tendenciosa a informação que Isabel dos Santos e Sindika Dokolo estariam fora do país, tentando dar a falsa aparência de fuga”, diz o comunicado em nome da filha do antigo presidente de Angola que lembra que “nenhum é cidadão português e ambos são investidores estrangeiros e é publicamente sabido que ambos trabalham fora de Portugal”.

Mas os primeiros pontos enumerados no comunicado servem para descartar a sua ligação pessoal ou da sua família nomeadamente a contas detidas no EuroBic, mas também em outros bancos, e a eventual entrada de dinheiro do Estado angolano para essas contas.

É falsa a afirmação da existência de contas bancárias pertencentes à “Família dos Santos” no banco EuroBic. A “Família dos Santos” não tem e nunca teve contas bancárias no banco EuroBic ou em lado algum”, começa por referir logo no primeiro ponto do comunicado, para logo depois negar que “estas [contas] tenham recebido fundos ou dinheiro do Estado Angolano para o seu uso pessoal ou qualquer outro fim”.

Isabel dos Santos nega ainda que a Polícia Judiciária tenha procedido “ao confisco de 300 milhões de euros” por ela detidos, mas também do arresto de património. Contraria assim a notícia avançada pela TVI no passado sábado que falava ainda na realização de 68 buscas levadas a cabo pela Unidade Nacional de Combate à Corrupção da Polícia Judiciária decorridas entre quarta e quinta-feira passadas.

A empresária descarta ainda que ela ou o seu marido, Sindika Dokolo, sejam proprietários de imóveis que lhes têm sido associados. Refere-se em concreto a uma moradia na Quinta do Lago e a um edifício de 11 andares em Rio de Mouro, Sintra. Também considera “completamente falsa” a afirmação de que Sindika Dokolo tenha “sociedades que servem de veículos utilitários ao branqueamento de capitais”.

Isabel dos Santos diz ainda que “é completamente falsa a afirmação de existência de crimes precedentes de corrupção e peculato em Angola” e que “não há um tribunal em Angola que tenha estabelecido a existência de crime algum”.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Isabel dos Santos rejeita fuga. Diz que família dos Santos não tem contas no EuroBic

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião