Aésio unifica três mútuas para unir-se à Macif e gerar gigante em França

  • ECO Seguros
  • 30 Junho 2020

A entidade que nasce da união Macif-Aésio Mutuelle, em 2021, terá um volume de negócios de 8 mil milhões de euros e um rácio de solvência a rondar 269%, cobrindo oito milhões de associados em seguros.

O projeto de criação de um novo modelo mutualista no setor de seguros e previdência em França deu um passo decisivo na semana passada, com mais de 650 delegados das mútuas Adréa, Apréva e Eovi-mcd, que agora formam o grupo Aésio, a votarem favoravelmente o ambicioso projeto de consolidação.

A votação eletrónica (por causa da covid-19), registada em assembleias-gerais separadas, mobilizou perto de 90% de associados representados e aprovou simultaneamente a criação de uma mútua única (Aésio Mutuelle, através da integração das três na Aésio), e o projeto de criação de um grupo diversificado, com a Macif.

Para que o projeto fique assegurado e veja a luz do dia a 1 de janeiro de 2021 falta apenas uma AG da Macif, a aprovar a fusão (espera-se que no final do período de férias), e a autorização da autoridade de francesa de controlo prudencial e resolução (ACPR).

Perspetivando que não surjam obstáculos inesperados, a 1 de janeiro de 2021, a Aésio Mutuelle, estará plenamente operacional graças à fusão das três mútuas, e na mesma data, emerge o líder mutualista conjunto Macif-Aésio a gerir cerca de oito milhões de clientes (2,7 milhões do grupo Aèsio e os restantes 5,2 milhões da Macif) com coberturas nas áreas de saúde, seguros previdência e poupança, seguros de propriedade e de acidentes.

O projeto de união para o novo modelo de mutualismo segurador em França começou a desenhar-se em dezembro de 2018 com uma estrutura de previdência conjunta (Prévoyance Aésio Macif). No entanto, o pacto de fusão só foi lançado, formalmente, em fevereiro de 2020, com a assinatura do acordo que agora está definitivamente em marcha e previsto para ser concluído em janeiro de 2021.

Números divulgados pela Macif, em 2018, indicam que a entidade resultante do projetado agrupamento de mútuas será o primeiro do ranking automóvel, em França (por número de contratos); 1º em previdência acidentes; 2º em saúde individual e coletiva e 5º maior do setor seguro habitação.

Em meados de março, de acordo com o portal Argus de l’Assurance, as autoridades francesas deram luz verde ao projeto. A operação proposta entre os grupos Macif e Aésio, de acordo com o pacto assinado em fevereiro para a criação de um gigante mutualista multimarcas, não levantou problemas em matéria de concorrência.

O protocolo assinado em fevereiro estabeleceu o princípio de uma representação equilibrada na governação do futuro grupo para assegurar uma gestão uniforme das linhas de negócio. O pacto prevê a que nova estrutura funcione em torno de uma sociedade comum (SGAM – Société de Groupe d’Assurance Mutuelle) que adotará nova identidade no início de 2021. A futura SGAM será responsável pela definição da estratégia, gestão e controlo de todas as companhias que ficam sob gestão da entidade emergente.

Após a conclusão do processo, cada uma das companhias mútuas de seguros dos dois grupos continuará responsável pelas relações com os clientes- associados sob a sua própria marca.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Aésio unifica três mútuas para unir-se à Macif e gerar gigante em França

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião