BRANDS' ECOSEGUROS APS: soluções de e-learning têm sido cruciais para Plano de Formação 2020

  • BRANDS' ECOSEGUROS
  • 30 Junho 2020

A Academia Portuguesa de Seguros incorpora novos temas no Plano de Formação da APS, em 2020. E-learning permite adaptação da formação ao novo quadro regulatório.

No seu Plano de Formação 2020, a Academia Portuguesa de Seguros procura incorporar ou reforçar na oferta programas dirigidos a novas áreas, riscos e exigências, com sejam ações relacionadas com envelhecimento e a poupança, saúde e danos corporais, ciber riscos, investimentos ecologicamente sustentáveis, compliance e proteção de dados, solvência e transformação digital nas operações e na interação com clientes. Atribui especial atenção aos novos cursos de Qualificação Inicial Adequada e de Conformação de ediadores/distribuidores, adaptados à Lei nº 7/2019 e à Norma Regulamentar nº 6/2019-R, há muito aguardados e finalmente viabilizados.

Quem intervém na venda de produtos de seguros está sujeito a regras uniformes, em várias matérias, e diferenciadas, em função da categoria. Cerca de 17 mil mediadores estão registados na Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões (ASF), incluindo mais de 3500 pessoas coletivas, que têm ao seu serviço dezenas de milhares de colaboradores com funções de natureza comercial, bastando, para esta equação, ponderar o número de colaboradores dos balcões dos bancos, também eles, na sua maioria, mediadores de seguros. Ao que acresce agora, no regime recentemente adotado, as próprias empresas de seguros, enquanto distribuidoras dos seus próprios produtos. Muitos e muito dispersos geograficamente, demonstrando que a proximidade é ainda um atributo muito valorizado nesta relação comercial.

Ambos estão sujeitos a exigências que visam assegurar padrões mínimos no serviço prestado aos tomadores de seguros, designadamente em matéria de conduta de mercado – transparência do processo de venda, informações sobre os produtos ou o tratamento de reclamações.

A montante destas preocupações, emerge outra na regulação desta atividade: a qualificação (imperativo legal) das pessoas envolvidas na distribuição de seguros.

Esta assenta em:

  • Formação para qualificação inicial adequada – 55 a 80 horas, embora possa atingir 120 horas;
  • Conformação com os requisitos de qualificação adequada – 10 as 25 horas;
  • Formação e aperfeiçoamento profissional contínuo, de aplicação universal – mínimo, 15 horas.

Servir estas necessidades de formação, com as referidas características da população e inevitáveis pressões temporais, não é simples. Só entre os cursos de qualificação inicial adequada e de conformação, são mais de 20 as opções de formação.

São dezenas de milhares de pessoas a que é preciso chegar (a larga maioria em cursos de conformação), com diferentes perfis de competências, capacidades e disponibilidade. Tudo isto em cima de programas de formação relativamente especializados, que poucas entidades formadoras têm vocação ou capacidade para desenvolver. Dada a sua relevância para a população a certificar obrigatoriamente neste domínio, o Plano inclui um capítulo específico dedicado a estes cursos de Qualificação Inicial e de Conformação, onde se detalha a vasta oferta que a Academia preparou para responder às necessidades do mercado, seja em formato presencial, seja em formato de e-learning.

As soluções de e-learning têm sido cruciais. Sem elas, o setor da distribuição de seguros não teria qualquer capacidade para se conformar inteiramente e em tempo útil com estas exigências regulatórias. Teria de condicionar a sua atividade com a afetação dos recursos humanos a ações presenciais, tipicamente menos ágeis e mais distantes. E suportaria, certamente, um custo bem mais pesado para cumprir estas exigências, penalizando grandes e pequenos operadores.

Para além das vantagens que conferem à participação dos formandos, as soluções de e-learning acrescentam agilidade às próprias organizações, na medida em que podem ser acedidas em diferentes plataformas de Learning Management System, incluindo a da APS, com requisitos de acesso relativamente simples, disponibilidade 24×7, gestão e reporting regular da atividade dos formandos, helpdesk de usabilidade e técnico e possível customização gráfica.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

APS: soluções de e-learning têm sido cruciais para Plano de Formação 2020

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião