Fidelidade reforça e reorganiza Administração

  • ECO Seguros
  • 30 Junho 2020

Magalhães Correia fica como chairman mantendo alguns pelouros executivos, Rogério Henriques é o novo CEO, José Quintero fica com a América latina. Entram elementos vindos do Lloyd’s e da Fidea.

Juan Arsuaga, até agora mandatário-geral em Espanha e Portugal da seguradora Lloyd’s e Thomas Chen que era CFO da segurada belga Fidea, são reforços para a gestão de topo do Grupo Fidelidade. Eleitos na segunda-feira e confirmados nos órgãos sociais da Fidelidade até 2022, a sua entrada teve como objetivo principal “fortalecer a equipa de gestão e assegurar a continuidade das políticas e do projeto estratégico do grupo”, diz fonte da empresa.

Jorge Magalhães Correia, continuará a presidir ao Conselho de Administração e a manter o acompanhamento de certas áreas executivas, mas vai sair da comissão executiva cuja presidência será assumida por Rogério Campos Henriques, cabendo-lhe agora a responsabilidade máxima sobre a gestão corrente da Fidelidade, dando sequência à transição, que fora sinalizada em 2017, quando passou a ocupar a vice-presidência daquele órgão.

No Conselho de Administração a vice-presidência do será assegurada por José Alvarez Quintero, que focará o essencial da sua atividade no acompanhamento das seguradoras do grupo no Peru, Chile e Bolívia.

A Comissão Executiva manterá a sua atual composição – Rogério Campos Henriques, António Sousa Noronha, que mantém a responsabilidade do pelouro da distribuição, William Mak e André Simões Cardoso –, passando a integrar os dois novos elementos, Juan Arsuaga e Thomas Chen.

Juan Ursuaga, ex-Lloyd’s e Thomas Chen, ex-CFO da Fidea, são os novos membros da comissão executiva da Fidelidade.

Juan Arsuaga tem cerca de 25 anos de experiência profissional na área seguradora, tendo sido nos últimos anos mandatário-geral em Espanha e Portugal da seguradora Lloyd’s, e anteriormente, presidente e CEO da filial portuguesa do corretor internacional Willis, onde esteve entre 1993 e 2006. Acompanhará a área do resseguro e as várias linhas de negócio Não Vida da Fidelidade, com exceção da área de saúde.

Thomas Chen, tem 16 anos de experiência profissional, sobretudo na área da banca e seguros, e mais recentemente vinha exercendo funções de CFO da seguradora belga FIDEA. Terá por missão principal acompanhar a função financeira, exceto investimentos, e as áreas de risco, solvência e capital da Fidelidade.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fidelidade reforça e reorganiza Administração

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião