CEO do grupo RSA é potencial substituto de Horta-Osório no Lloyds Bank

  • ECO Seguros
  • 7 Julho 2020

A linha de partida para a corrida à sucessão de António Horta Osório, como CEO do banco Lloyds, começa a ser ocupada por potenciais candidatos. Um conhecido segurador é candidato bem posicionado.

Stephen Hester, presidente executivo do grupo tricentenário RSA (anteriormente denominada Royal & Sun Alliance), emerge entre os principais candidatos ao cargo de presidente executivo (CEO) do Lloyds Bank, perspetivando-se que seja o sucessor de António Horta Osório no cargo.

O português que, na última década, liderou o Lloyds Banking Group cessa em junho de 2021. Segundo anunciado no início da semana, “Horta Osório decidiu deixar o cargo de CEO do Lloyds em 2021 após uma década de enorme importância para o maior banco de Inglaterra e altamente desafiante para o gestor,” anunciou o Lloyds Banking Group realçando que o banqueiro português entende que “as pessoas não se devem perpetuar nos cargos, para benefício das instituições e dos próprios”.

Hester, que segundo fonte do site Insurance Business é o candidato que emerge, acumula perto de 40 anos no setor financeiro e, antes de assumir funções de CEO do grupo RSA, foi CEO no Royal Bank of Scotland (RBS). Antes de liderar a recuperação do RBS, passou pela The British Land, o Abbey National e o Credit Suisse First Boston. Mas, para chegar à liderança executiva do Lloyds, deverá disputar a corrida com crescente lista de candidatos.

De acordo com a lista que vai sendo construída com opiniões de diversos analistas perfilam-se Jean-Pierre Muster (do UniCredit), John Flint (ex-CEO do HSBC), Alison Brittain (CEO da Whitbread e antigo responsável de retail banking no Lloyds).

A grelha de partida para o lugar que será deixado vago pelo português inclui ainda eventuais candidatos vindos do interior do próprio LLoyds Banking Goup, como Vim Maru, atual responsável de banca de retalho, David Oldfield (banca comercial) e até William Chalmers, atual administrador financeiro que se juntou ao LLoyds no ano passado.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CEO do grupo RSA é potencial substituto de Horta-Osório no Lloyds Bank

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião