Zurich nomeia Helene Westerlind para liderar nova unidade global de saúde e bem-estar

  • ECO Seguros
  • 9 Julho 2020

A nova unidade da seguradora suíça pretende responder com soluções únicas de saúde e bem-estar adaptadas às necessidades específicas dos clientes de retalho, PME e clientes de seguros comerciais.

A criação da Zurich WellCare concretiza o objetivo estratégico de acelerar o desenvolvimento de programas que o grupo já oferece nas áreas de saúde e bem-estar em todo o mundo.

Em comunicado, a instituição indica que nomeou Helene Westerlind presidente executiva (CEO) da Zurich WellCare, para desenvolver e executar nova estratégia global da Zurich na área de saúde, em colaboração com as filiais nacionais, distribuição local e parcerias com terceiros.

Westerlind tem profundo conhecimento da indústria de seguros e negócios globais da Zurich, além de boa relação com corretoras de seguros, afirma companhia justificando a escolha. A executiva sueca juntou-se à Zurich em Estocolmo (2003) e, mais recentemente, coordenou um programa internacional no âmbito do negócio de seguros comerciais da Zurich.

Salientando que a prioridade da companhia é o foco estratégico no cliente, prevenção e prestação de serviços inovadores, Helene Westerlind salientou: “o nosso objetivo é capacitar os clientes a melhorarem a sua saúde e bem-estar, com recurso a utilização responsável de tecnologia e dados”.

A nova oferta WellCare é desenhada para ser “flexível e modular” dando aos clientes a possibilidade de escolherem produtos e serviços mais convenientes e outros opcionais, mas as soluções serão sempre personalizadas para que cada cliente melhore a saúde física e mental, explica a companhia adiantando que o serviço incluirá aconselhamento, coaching, ferramentas de diagnóstico, serviços médicos com acompanhamento de situações de doença crónica e soluções de seguros.

A novel unidade de negócio sustenta-se em quatro pilares estratégicos: uso de dados; prevenção; gestão e acompanhamento; proteção. As propostas da WellCare começam a ser expedidas ainda este ano e serão dirigidas a clientes da Europa, Ásia e América Latina.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Zurich nomeia Helene Westerlind para liderar nova unidade global de saúde e bem-estar

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião