AXA XL é primeira estrangeira a operar com licença de resseguro na China

  • ECO Seguros
  • 12 Julho 2020

A subsidiária da Axa XL na China tem luz verde do regulador local (CBIRC), para alterar a licença de negócio, de seguros para resseguros. Será a 1ª resseguradora integralmente estrangeira autorizada.

A XL Insurance (China) Company Limited foi autorizada pela China Banking and Insurance Regulatory Commission (CBIRC) a alterar a sua licença de negócio. Quando o processo legal estiver concluído, a nova entidade jurídica será denominada XL Reinsurance China Company Limited (Axa XL Re China).

A Axa XL Re China estará domiciliada em Xangai e vai fornecer resseguro sobre ramo não Vida, tornando-se a primeira subsidiária de resseguro de capitais estrangeiros a estabelecer-se no país, anunciou a filial da Axa dedicada ao negócio de grandes riscos de empresas.

Com o objetivo de “nos aproximarmos dos clientes e aprofundar os nossos conhecimentos locais, fortalecemos a nossa equipa no país”, disse Ann Chua, responsável para a Ásia na área de resseguros da Axa XL Insurance e Reinsurance, citada em comunicado.

A Axa XL assume-se globalmente como uma das maiores resseguradoras P&C (propriedade e danos), disputando posições de liderança em alguns dos principais mercados mundiais de resseguro.

O grupo Axa tem vindo a reforçar a sua presença na China. No final de 2018, acordou pagar mais de 580 milhões de euros para adquirir capital que ainda não detinha e assumir o controlo integral da Axa Tianping, com sede em Xangai. Cinco anos antes, a seguradora francesa já havia pago 480 milhões por 50% do capital da companhia.

Segundo números noticiados em novembro de 2018, a Axa Tianping operava em 20 províncias da China, suportada por uma rede de aproximadamente 120 agências e balcões. Na mesma altura, a Axa indicou que a subsidiária estava entre as 15 maiores seguradoras P&C da China faturando um volume bruto de prémios equivalente a 1 000 milhões de euros.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

AXA XL é primeira estrangeira a operar com licença de resseguro na China

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião