Casa do Publicitário vai nascer de um investimento de 14 milhões. Terá 30 residências universitárias, um centro de congressos e um museu

A Câmara de Lisboa cedeu um terreno no Restelo para a construção da Casa do Publicitário. Projeto terá 30 residências universitárias, um centro de assistência sénior e um centro de congressos.

Na zona do Restelo, em Lisboa, vai finalmente nascer a Casa do Publicitário. Um projeto de Ricardo Monteiro dedicado à publicidade, como o próprio nome indica. É num terreno cedido pela Câmara de Lisboa que o ex-presidente e global chairman do Grupo Havas vai investir 14 milhões num projeto que, para além de um museu da publicidade, terá 30 residências universitárias, um centro de assistência sénior e um centro de congressos.

O contrato promessa de constituição do direito de superfície deste terreno, que foi cedido pela Câmara de Lisboa por um período de 75 anos, foi assinado esta quarta-feira entre Fernando Medina e a Associação Casa do Publicitário, através do presidente Ricardo Monteiro e vice-presidente Miguel Bragança de Barros, refere a autarquia, em comunicado.

É neste terreno que será construída a Casa do Publicitário, um projeto pensado pelo arquiteto Manuel Aires Mateus, que deverá demorar 36 meses até ficar concluído, num investimento estimado de 14 milhões de euros.

Para além do alojamento das sedes das entidades representativas do setor publicitário — Associação Portuguesa de Agências de Publicidade (APAP), Clube de Criativos e Academia Portuguesa de Cinema –, o projeto terá ainda um centro de assistência sénior com 40 unidades, 30 residências universitárias com preços 15% abaixo do valor de mercado, um centro de congressos com três salas e o Museu da Publicidade.

Durante a assinatura do contrato, esta quarta-feira, Fernando Medina salientou que “a abertura de mais um centro de assistência sénior, bem como de 30 residências universitárias, responde a uma necessidade premente de equipamentos sociais na cidade de Lisboa e é um bom exemplo do que pode resultar de parcerias entre o município e o setor social e associativo, como é o caso da Associação Casa do Publicitário”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Casa do Publicitário vai nascer de um investimento de 14 milhões. Terá 30 residências universitárias, um centro de congressos e um museu

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião