MDS compra maioria do capital da RS Reinsurance Solutions

  • ECO Seguros
  • 18 Julho 2020

O maior grupo de corretagem em Portugal adquiriu 66,67% do capital da RS - Reinsurance Solutions, mediadora de resseguros que permite mais que duplicar o seu volume de prémios nessa área.

O grupo MDS adquiriu 66,67% do capital da RS – Reinsurance Solutions, corretora de resseguros com sede em Lisboa e que, em 2019, emitiu prémios de cerca de 18 milhões de euros. A MDS já detém a MDS Reinsurance Solutions que apresenta soluções de corretagem de resseguro, operando em Portugal, África e Brasil, desenvolvendo igualmente serviços de consultoria de seguros e que emitido prémios no valor de cerca de 14 milhões de euros em 2019.

A RS – Reinsurance Solutions, sociedade corretora de resseguros Não Vida e Vida, teve a sua origem em 1993 através de parceria entre os ingleses do Grupo Heath, mais tarde Heath Lambert e o Grupo Amorim, tendo sido designada Heath & Amorim. Em 2004 foi adquirida em MBO pelos seus gestores, após o final da aliança entre ingleses e Grupo Amorim.

O Grupo MDS, liderado por José Manuel Dias da Fonseca, afirmou a ECOseguros que “vai integrar toda a equipa da Reinsurance Solutions, nomeadamente a sua equipa de gestão”, acrescentando que “de momento, a MDS Re e a RS estão a atuar em conjunto, mas está a ser equacionada a utilização da marca RS no futuro”.

A corretora parcialmente adquirida define-se “pelo facto de não termos acionistas externos, nem ligações a qualquer grupo que nos reduza a autonomia profissional, permite-nos atuar sem condicionalismo e com independência total em prol dos reais interesses dos clientes”. Já a MDS é controlada pelo Grupo SONAE e pelo grupo brasileiro Suzano.

A RS, cujo valor de avaliação para esta negócio não foi divulgado, tem atividades diversas como tratados de resseguro, desenho de programas para grandes empresas, resseguro facultativo, produtos nicho, D&O, seguro decenal, seguros de engenharia, responsabilidade civil profissional, terrorismo e supply chain risk.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

MDS compra maioria do capital da RS Reinsurance Solutions

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião