Vacina para Covid-19 da AstraZeneca sem efeitos secundários no primeiro ensaio

A vacina experimental não gerou efeitos secundários e produziu uma resposta imunitária em ensaios clínicos em estágio inicial feitos em voluntários saudáveis.

A vacina experimental para a Covid-19 que está a ser desenvolvida pela Universidade de Oxford e pela farmacêutica AstraZeneca obteve resultados promissores nos primeiros testes em humanos, confirmou esta segunda-feira um estudo publicado na revista científica Lancet.

Vista como a candidata na liderança da “corrida” à descoberta de uma cura e prevenção para o novo coronavírus, esta vacina, que foi administrada em voluntários saudáveis, produziu uma resposta imunitária nos ensaios clínicos em estágio inicial, ao mesmo tempo que não espoletou efeitos secundários adversos.

A vacina experimental, chamada de AZD1222, está a ser desenvolvida pela AstraZeneca e por cientistas da Universidade de Oxford, no Reino Unido. O facto de não ter provocado efeitos colaterais graves e de ter originado anticorpos e respostas imunes das chamadas “células T” é um sinal promissor, de acordo com os resultados do estudo publicado na Lancet e citado pela Reuters. A resposta imunitária foi ainda maior em quem recebeu duas doses.

Esperamos que isso signifique que o sistema imunológico se lembre do vírus, para que a nossa vacina proteja as pessoas por um longo período”, disse o autor principal do estudo, Andrew Pollard, da Universidade de Oxford. “No entanto, precisamos de mais pesquisas antes de confirmarmos que a vacina protege efetivamente contra a infeção por SARS-CoV-2 (Covid-19) e por quanto tempo dura a proteção”, acrescentou o mesmo responsável.

A atual pandemia já matou mais de 600 mil pessoas em todo o mundo. Na corrida à vacina estão ainda muitas outras farmacêuticas, como as chinesas Sinovac Biotech e Sinopharm e a biotecnológica americana Moderna. Contudo, a AstraZeneca já assinou acordos com governos de todo o mundo com vista ao fornecimento da vacina, caso esta se mostre eficaz e obtenha aprovação regulatória.

Entretanto, o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, já aplaudiu os resultados destes testes iniciais em humanos da nova vacina da AstraZeneca. “Esta é uma notícia muito positiva. Um enorme sucesso para os nossos brilhantes cientistas e pesquisadores na Universidade de Oxford”, disse Johnson no Twitter, com um link para a notícia da BBC. “Não há garantias, ainda não estamos lá e mais testes serão necessários – mas este é um passo importante na direção certa”, rematou.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Vacina para Covid-19 da AstraZeneca sem efeitos secundários no primeiro ensaio

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião