“Nunca Portugal recebeu tanto dinheiro” da União Europeia. Marcelo alerta para a “responsabilidade de o utilizar bem”

  • ECO
  • 21 Julho 2020

Elevado montante do envelope financeiro europeu para Portugal "é uma oportunidade única, mas é uma responsabilidade saber utilizar bem este dinheiro", frisou o Presidente da República.

Marcelo Rebelo de Sousa regozijou-se com o acordo no Conselho Europeu e considerou que Portugal tem pela frente uma oportunidade única e irrepetível de saber usar bem os fundos previstos para os próximos anos. “Nunca Portugal recebeu tanto dinheiro”, afirmou o Presidente da República.

Face ao elevado montante do envelope financeiro, Marcelo notou que esta “é uma oportunidade única, mas é uma responsabilidade saber utilizar bem este dinheiro”, disse em declarações aos jornalistas em Monte Redondo, Leiria, onde foi prestar homenagem a um bombeiro que faleceu no combate aos incêndios no passado fim de semana.

Comentando os resultados da cimeira dos líderes europeus, que terminou na madrugada desta terça-feira, o Presidente da República adiantou que o dinheiro que virá da União Europeia poderá ser utilizado de duas formas, olhando para o dia seguinte: “usar fundos de emergência para tapar buracos de emergência” e “olhar para daqui a alguns anos, para aquilo que é estrutural e para o país que queremos construir para daqui a três, cinco, dez ou 15 anos”.

“Onde vamos investir: nas infraestruturas, nos transportes, no apoio às formas de criação de riqueza, nas questões que têm a ver com a vida dos portugueses em todos os aspetos, também sociais”, elencou Marcelo Rebelo de Sousa.

O Presidente da República sublinhou ainda este “dinheiro permite que se olhe mais longe e, portanto, espero que haja a noção de que isto é irrepetível”. “Não volta a haver nos próximos longuíssimos anos uma oportunidade como esta e, portanto, não pode ser perdida”, frisou.

O Fundo de Recuperação aprovado na madrugada desta terça-feira pelo Conselho Europeu disponibiliza a Portugal uma verba superior a 15 mil milhões de euros em subsídios a fundo perdido e mais de 10 mil milhões em empréstimos, explicou o primeiro-ministro português à saída da cimeira. Em conjunto com o novo quadro plurianual, Portugal terá quase 58 mil milhões de euros de fundos comunitários para executar ao longo dos próximos dez anos.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Nunca Portugal recebeu tanto dinheiro” da União Europeia. Marcelo alerta para a “responsabilidade de o utilizar bem”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião