Festa do Avante abre mais cedo, com mais espaço e zonas para lavar as mãos

  • ECO
  • 23 Julho 2020

Já são conhecidas as regras e medidas adotadas pelo PCP para a Festa do Avante, que vai decorrer de 4 a 6 de setembro, na Atalaia, no Seixal.

Apesar de os festivais terem sido cancelados, a Festa do Avante vai mesmo acontecer. E já são conhecidas as mudanças e regras feitas pelo PCP para a edição deste ano, adaptando o evento à pandemia. De acordo com o Jornal do Avante, o espaço será maior, as portas abrirão mais cedo para evitar ajuntamentos e haverá mais pontos de lavagem de mãos espalhados pelo recinto.

Sob o mote “Viver a Festa da fraternidade, da amizade e da camaradagem”, a Festa do Avante vai decorrer num recinto com 30 hectares, mais 10.000 metros quadrados do que nas edições anteriores. Este ano, “serão abertas áreas que nunca estiveram acessíveis aos visitantes”, lê-se.

As portas vão abrir mais cedo. “De forma a evitar aglomerados e o cruzamento de fluxos”, as portas da Quinta da Princesa e da Quinta do Vão abrem às 16h e às 15h, respetivamente. O arranque oficial vai manter-se às 19h. “A entrada da Medideira funcionará para cartões de serviço e serão criados novos canais de saída, mais alargados”.

Aos três palcos centrais “de grande dimensão” juntar-se-ão o Avanteatro e o Cineavante, “todos eles descobertos e com uma área de plateia consideravelmente maior”. Em cada um destes espaços “haverá a delimitação física das áreas, com a marcação de corredores e circuitos” e serão criadas “equipas de assistente de plateia”.

O evento terá duas exposições, ambas “com controlo de entrada e um circuito linear com entrada e saída”. O Espaço do Livro e do Disco deixarão de funcionar numa tenda fechada, passando para uma ampla área de sombra, e o circuito da exposição do Espaço da Ciência, “foi reformulado, contando com corredores de oito metros e cumprindo a lógica do ‘sempre em frente'”. Este ano não se realiza a corrida e a caminhada.

Em termos de higiene, no recinto haverá “oito instalações sanitárias de grande dimensão, uma das quais exclusiva para crianças” e “será garantida, em permanência, uma equipa de limpeza para cada instalação, nas quais será feita, em horário fixo, uma ação de limpeza e desinfeção mais profunda”. Haverá ainda um dispositivo de bombeiros e um posto de saúde para a prestação de primeiros socorros.

Na zona de restauração, as esplanadas “serão alargadas para garantir a colocação de mesas e assentos com distanciamento” e “existirão equipas permanentes de higienização das mesas e assentos”. De acordo com a Blitz, haverá “pelo terreno pontos de higienização com água, sabão e álcool gel para garantir a frequente lavagem e desinfeção das mãos”.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Festa do Avante abre mais cedo, com mais espaço e zonas para lavar as mãos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião